www.horadanoticia.com.br
Aqui você lê o que acontece de fato

Content on this page requires a newer version of Adobe Flash Player.

Get Adobe Flash player

 
    Hora da Notícia (67) 9924-2726    Busca

Content on this page requires a newer version of Adobe Flash Player.

Get Adobe Flash player

   Primeira Página
   Notícias
      › Brasil
      › Alcinópolis
      › Camapuã
      › Chapadão do Sul
      › Costa Rica
      › Figueirão
      › Paraíso das Águas
   Guia de Negócios
   Agenda de Eventos
   Colunistas
   Galeria de Fotos
   Aniversariantes
   Notas Breves
   Charges
   Entrevistas
   Quem Somos
   Expediente
   Anuncie Aqui!
   Fale Conosco
  Informativo
  Cotações
Colunistas
Busca 
Reflexões sobre Cidadania
       Por Prof. Gilberto Abreu de Oliveira

"O bom trabalhador ama o trabalho e a semeadura assim como as colheitas”.

O historiador Michel de Certeau em seu livro A Escrita da História apresenta-nos logo no inicio de seu trabalho a seguinte questão: “O que fabrica o historiador quando ‘faz história’? Para quem trabalha? Que Produz?”, tais questões são de fundamental importância na prática cotidiana do Ofício de Historiador. Elas auxiliam a reorganizar e a repensar nosso papel enquanto profissional de um lugar social.

Esses questionamentos cumprem outro papel primordial que é o de provocar no pesquisador a vontade de ir além: pesquisar e escrever mais, refletindo criticamente sobre a sociedade com a qual dialoga, onde o patoá do pesquisador representará sua relação com o lugar

Lugar este que é mediado por determinadas práticas e conceitos, que são pensado e organizados de tal maneira que muitas vezes nos esquecemos que o passado continua a contribuir com suas inquietantes colocação. Este trabalho tem por intuito pensar e argumentar sobre a questão da Cidadania e do Papel da disciplina de História, como norteadora do saber e da prática cidadã, enxergando na escola o lugar social na qual o professor de história exerce sua função.

Nesse sentido, vale ressaltar o que expõe os Parâmetros Curriculares Nacional acerca da seguinte questão: Mas afinal, o que é cidadania? De acordo com os PCNs, existem alguns eixos temáticos que devem ser trabalhados transversalmente, dentre eles apontamos os seguintes: Identidade, Gênero, Cultura e Cidadania, onde é dever da escola fazer com que os alunos, compreendam tais eixos a partir dos temas selecionados para serem trabalhados no decorrer do ano letivo. Entretanto, cabe ressaltar as palavras do Historiador Marcelo Magalhães, onde ressalta que: “[...]Compreender o significado atribuído ao conceito de cidadania nos Parâmetros não é tarefa fácil. Primeiramente, devido ao fato de não existir apenas um, mas, sim, múltiplos significados, além disso, pelo fato de sua definição encontrar-se espalhada pelos volumes dos PCN.[...]” (MAGALHAES, 2009, p. 175)

O volume dedicado aos Eixos Transversais buscam compreender

“[...] a cidadania como participação social e política, assim como exercício de direitos e deveres políticos, civis e sociais, adotando, no dia-a-dia, atitudes de solidariedade, cooperação e repúdio às injustiças, respeitando o outro e exigindo para si o mesmo respeito [...]”(BRASIL, p. 9)

A partir de tais inquietudes, como devemos nós professores de História nos posicionar? Como devemos nós fazer a diferença para que nosso trabalho germine bons cidadãos? Será que nossos alunos compreendem que é fundamental num país soberano e democrático o exercício de seus direitos? Será que nós mesmos temos essa consciência?

Tais indagações são primordiais a todos profissionais da Educação. A escola deve ter um papel efetivamente de transformar a realidade social dos educandos, caso contrário não teria sentido enfileirar os alunos todos os dias para o ‘heróico’ ato de ensinar.

Uma sociedade democrática parte do princípio dos direitos e deveres. Parte do ideal de justiça social, e respeito aos cidadãos. É de fato papel da escola incitar a reflexão nesses temas, entretanto cabe a ela ainda demonstrar na prática a utilização de tais conceitos. Não há sentido prático para os alunos demonstrar cidadania apenas com bandeiras ou eventos cívicos. Deve-se propor atividades práticas cotidianas que demonstrem como exercer seus direitos e ainda seus deveres, estes que foram conquistados após anos de um regime ditatorial[1]. Nesse sentido, O PCN, aponta ainda que a “a noção de cidadania tem um significado preciso: é entendida como abrangendo exclusivamente os direitos civis (liberdade de ir e vir, de pensamento e expressão, direito à integridade física, liberdade de associação) e os direitos políticos (eleger e ser eleito), sendo que seu exercício se expressa no ato de votar.”(Idem, p. 20)

Tendo em vista tais posicionamentos, ao retomamos a ideia inicial do texto, fazendo a mesma pergunta de Michel de Certeau, a resposta provavelmente virá ao longo do ano letivo. O que faz o Historiador? Naturalmente cabe a esse profissional diante da gama de possibilidades apresentadas tanto pela prática pedagógica, tanto pela prática historiográfica e ainda norteado pelos Parâmetros, nada mais que fazer pensar. Pensar e mediar um bom debate, proporcionando o que muitos deixam de lado: A reflexão voltada para a Cidadania. E como bem lembra Marcelo Magalhães, “[...]Cidadania é um conceito portador de algo essencial não contingente. Os PCNs, trabalham com a ideia de que para definir o significado de cidadania é preciso refletir sobre sua dimensão histórica [...]” (MAGALHAES, 2009, p. 176) e ninguém melhor pra falar de uma dimensão histórica que o historiador.



E nós, como e quando exercemos a nossa Cidadania?



Abraços e Boas Reflexões



Notas:

[1] Sobre a temática Ditadura Militar e Ensino no Brasil, vale a pena consultar:

CORREIA, Wilson F. A Educação Moral e Cívica do Regime Militar brasileiro, 1964-1985: A filosofia do controle e o controle da filosofia. Revista Cientifica. São Paulo:v. 9, n. 2, 2007, p. 489-500.



Referências:

Brasil. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros curriculares nacionais : terceiro e quarto ciclos: apresentação dos temas transversais. Brasília:MEC/SEF, 1998

MAGALHÃES, Marcelo de Souza. História e Cidadania: por que ensinar história hoje? In. ABREU, M. & SOIHET, R. (org) Ensino de História: conceitos, temáticas e metodologia. 2. Ed. Rio de Janeiro: Casa da Palavra, 2009, p.168-184



Sobre o Autor:

Prof. Gilberto Abreu de Oliveira

Graduado em História pelas FIC/FAVA

Blog. http://historiaemdebate.wordpress.com

Atua na Rede Municipal de Ensino e no Sistema Objetivo de Costa Rica MS



 
   
Partidos se unem por fundo público de financiamento de campanha: R$ 3,5 bi
    
   
Carta Capital
    
   
    

Content on this page requires a newer version of Adobe Flash Player.

Get Adobe Flash player

Publicidade
Hora da Noticia   |   (67) 9924-2726   |   [email protected]   |   Costa Rica - MS