Content on this page requires a newer version of Adobe Flash Player.

Get Adobe Flash player

www.horadanoticia.com.br
Aqui você lê o que acontece de fato
 
    Hora da Notícia (67) 9924-2726    Busca

Content on this page requires a newer version of Adobe Flash Player.

Get Adobe Flash player

   Primeira Página
   Notícias
      › Brasil
      › Alcinópolis
      › Camapuã
      › Chapadão do Sul
      › Costa Rica
      › Figueirão
      › Paraíso das Águas
   Guia de Negócios
   Agenda de Eventos
   Colunistas
   Galeria de Fotos
   Aniversariantes
   Notas Breves
   Charges
   Entrevistas
   Quem Somos
   Expediente
   Anuncie Aqui!
   Fale Conosco
  Informativo
  Cotações
Entrevistas
04/09/2016
A crise é nossa

Neste domingo (4) e na segunda-feira, na China, chefes de governo e de Estado das 19 economias do G20, além da representação da União Europeia, ouvirão relatos de que a economia mundial desacelera suavemente, ainda crescendo ao ritmo de 3,4% ao ano. No Brasil, integrante do bloco, seria um diagnóstico auspicioso.
 
Líderes mundiais devem discursar outra vez sobre empecilhos contra o comércio entre as nações, que cresce em ritmo ainda menor que o da produção mundial, em parte devido a barreiras comerciais impostas por estes mesmos países que louvam o livre intercâmbio de mercadorias. Deve haver avanços mínimos ou declarações protocolares sobre acordos do clima e paraísos fiscais.
 
Considerações sobre o estado da diplomacia econômica mundial podem obscurecer o fato de que o mundo se move, ainda que claudicante. O assunto continua relevante para os exaltados e mal informados debates sobre efeitos do mundo no crescimento do Brasil.
 
Há mais progresso econômico que há cinco anos, quando os países centrais ainda se debatiam para sair do atoleiro da grande recessão que começara em 2008.
 
Nos cinco anos de recuperação mundial, o Brasil regrediu. De 2011 a 2015, cresceu 5%, mais apenas, entre as economias do G20, que Itália e Japão, países no entanto ricos, com renda per capita equivalente a três ou quatro vezes a brasileira.
 
Caso se considerem economias de renda mais próxima da média, portanto mais similares à do Brasil, a situação é desoladora. Também no G20, México e mesmo Argentina cresceram mais, entre 2011 e 2015.
 
A rica Austrália –também dependente de commodities– cresceu 14% no período. A conturbada Turquia, 24%. A ainda pobre Indonésia, 31%. No ano, nenhum país apresenta nem de longe algo parecido com o desastre brasileiro.
 
Atribuir o baixo crescimento brasileiro às desventuras do mundo parece um equívoco ainda mais disparatado quando se observam as economias mais modestas da vizinhança, ainda mais sujeitas às variações dos humores financeiros mundiais e dos preços de matérias-primas do que este país.
 
Vale ressaltar que as exportações brasileiras crescem abaixo do ritmo do comércio internacional.
 
A renda per capita da Colômbia cresceu 19% de 2011 a 2015. Nesse período, no Brasil presidido por Dilma Rousseff (PT), o crescimento foi de 0,1%. No Peru e no Paraguai, 18%. No Uruguai, 17%.
 
Nossas agruras são, na maior parte, derivadas de uma política interna tão irresponsável quanto mal formulada, agravada por favores estatais e fraudes. Não há crise mundial para desculpá-las.
Notícias em Destaque
21/05/2018 Sai exoneração de sargento alvo de operação de cargo de assessor
20/05/2018 Tempo gasto em computadores afeta bem-estar de jovens, diz pesquisa
20/05/2018 Promotoria apura suposto caixa 2 de concessionária para campanha de Alckmin
20/05/2018 Puccinelli busca alianças e promete formar equipe nova de gestão
18/05/2018 MDB quer reunir 1,5 mil correligionários em evento neste sábado na Capital
 
     COLUNISTAS
  
     GALERIA DE FOTOS
Proerd 2° etapa
  
Imagem do dia
Policia civil de Costa Rica queima quase 600 quilo de maconha
 
   
Crise levou chefes de família ao desalento’, diz economista
    
   
Lincoln Secco
    
   
    
Publicidade
Hora da Noticia   |   (67) 9924-2726   |   [email protected]   |   Costa Rica - MS