Content on this page requires a newer version of Adobe Flash Player.

Get Adobe Flash player

www.horadanoticia.com.br
Aqui você lê o que acontece de fato

Content on this page requires a newer version of Adobe Flash Player.

Get Adobe Flash player

 
    Hora da Notícia (67) 9924-2726    Busca

Content on this page requires a newer version of Adobe Flash Player.

Get Adobe Flash player

   Primeira Página
   Notícias
      › Brasil
      › Alcinópolis
      › Camapuã
      › Chapadão do Sul
      › Costa Rica
      › Figueirão
      › Paraíso das Águas
   Guia de Negócios
   Agenda de Eventos
   Colunistas
   Galeria de Fotos
   Aniversariantes
   Notas Breves
   Charges
   Entrevistas
   Quem Somos
   Expediente
   Anuncie Aqui!
   Fale Conosco
  Informativo
  Cotações
Entrevistas
02/03/2017
Falta ao enredo da corrupção nacional um vilão

Há no enredo construído a partir do depoimento de Marcelo Odebrecht à Justiça Eleitoral todo tipo de personagem —há um explorado, uma injuriada e um inocente. Só não há um vilão. O herdeiro da Odebrecht considera-se um “otário do governo”, um “bobo da corte” —um sujeito obrigado a tocar obras indesejadas e a pagar propinas a políticos.
 
Dilma Rousseff se apresenta como vítima das “mentiras” do empreiteiro sobre o caixa dois de sua campanha. E Michel Temer reafirma sua inocência porque o delator disse que jantou com ele, combinou um socorro monetário ao PMDB, mas afirmou que quem tratou do valor e da forma de pagamento foi o fiel escudeiro Eliseu Padilha, não o presidente.
 
Poucas vezes na sua história o Brasil atravessou uma conjuntura política tão surrealista. Os brasileiros que acompanham os capítulos da novela da corrupção, agora encenada em sua versão eleitoral, são convidados diariamente a resistir à desesperança e ao cinismo. Mas uma coisa não se pode negar aos personagens que protagonizam as manchetes: eles já não têm o menor receio de insultar a inteligência da plateia.
 
Considerando-se os seus autocritérios, todos os envolvidos na trama são boas pessoas. E o brasileiro fica pensando na falta que faz ao país um vilão. Um vilão de mostruário, desses cuja maldade está na cara, sem qualquer disfarce. Um vilão assim, inquestionável, colocaria os pés sobre a mesa e planejaria a próxima imoralidade sem nenhuma ambiguidade. Mas não, são todas boas pessoas. Fazem suas vilanias com as melhores intenções e na maior inocência.
 

Josias de Souza

 

 

Notícias em Destaque
22/10/2017 Chapadão do Sul 30 anos: 1º Encontro da Canção Gospel foi um sucesso
21/10/2017 PRF apreende 35 mil pacotes de cigarro após carreta tombar na BR-359
21/10/2017 Vítima de ataque em Goiânia segue em estado grave com pulmões perfurados
20/10/2017 Aluno atira em escola de Goiânia, mata dois estudantes e deixa feridos
20/10/2017 Chapadão do Sul 30 anos: Luis Goiano & Girsel da Viola e Maycon Balbino animam Chapadão do Sul
 
     COLUNISTAS
  
     GALERIA DE FOTOS
Três assaltantes de banco foram presos, dois mortos
  
Imagem do dia
Policia civil de Costa Rica queima quase 600 quilo de maconha
 
   
"Direito Penal é instrumento de proteção de direitos humanos"
    
   
Carta Capital
    
   
    
Publicidade
Hora da Noticia   |   (67) 9924-2726   |   [email protected]m   |   Costa Rica - MS