Content on this page requires a newer version of Adobe Flash Player.

Get Adobe Flash player

www.horadanoticia.com.br
Aqui você lê o que acontece de fato
 
    Hora da Notícia (67) 9924-2726    Busca

Content on this page requires a newer version of Adobe Flash Player.

Get Adobe Flash player

   Primeira Página
   Notícias
      › Brasil
      › Alcinópolis
      › Camapuã
      › Chapadão do Sul
      › Costa Rica
      › Figueirão
      › Paraíso das Águas
   Guia de Negócios
   Agenda de Eventos
   Colunistas
   Galeria de Fotos
   Aniversariantes
   Notas Breves
   Charges
   Entrevistas
   Quem Somos
   Expediente
   Anuncie Aqui!
   Fale Conosco
  Informativo
  Cotações
Entrevistas
23/01/2018
A irmandade dos falsos cegos

O festival de besteiras que assola o país às vésperas do julgamento de Lula em Porto Alegre produziu pelo menos duas pérolas nas últimas 24 horas, ambas esmeradas por mulheres de grande projeção – a ex-presidente Dilma Rousseff e a e cientista política Maria Victória Benevides, professora da Universidade de São Paulo.
 
Para Dilma, a discussão sobre um possível plano B do PT à candidatura de Lula “é igual à discussão sobre ‘renuncie, presidente’. Pediam, ‘renuncie, presidente, é um gesto de grandeza’. Gesto de grandeza nada. É a tentativa de mascarar o golpe” – disse ela, e até aí tudo bem. Pelo menos faz sentido.
O que não faz foi o que ela disse em seguida: a possibilidade de Lula ser impedido pela Justiça de participar das eleições de outubro é um sinal da “derrota do golpe” que começou com o seu impeachment. Da derrota do golpe? Não seria o contrário – outra vitória dos que a apearam do poder e depois se voltaram contra Lula?
 
Para Maria Victória, o julgamento de Lula “é a prova eloquente da falência do Poder Judiciário no Brasil, dominado por uma ideia de Justiça que nada tem a ver com o Estado Democrático de Direito, que é anti-povo”. De novo: não seria justamente o contrário – a prova de robustez de uma justiça que serve para todos?
 
Ou Lula estaria acima da Justiça que temos? E por que somente ele? Há condenados e presos de vários partidos, mas a socióloga não parece duvidar da correção da Justiça que os puniu. E se a Justiça, amanhã, absolvesse Lula? O que diria Maria Victória? O que diriam os demais que pensam como ela?
 
Essa é fácil: diriam algo do tipo “o povo unido jamais será vencido”, pois foi ele que teria salvado Lula da farsa montada para bani-lo de vez da vida pública. De uma farsa, não: do golpe. Ou como prefere Dilma, de mais uma etapa do golpe que teve início com a sua deposição há quase dois anos.
Notícias em Destaque
22/10/2018 31 anos: Ciclismo, Encontro de Bandas e Shows marcaram o final de semana sul-chapadense
21/10/2018 Bolsonaro e Haddad adotam novo estilo a uma semana do segundo turno
20/10/2018 TSE abre ação para investigar suspeita contra campanha de Bolsonaro
20/10/2018 Chuvas colaboram e plantio chega a 54% em MS
19/10/2018 Atleta da Copa América de Corrida de Aventura volta à Costa Rica para rever árvore que plantou em 2016
 
     COLUNISTAS
  
     GALERIA DE FOTOS
Entrega dos presentes de natal realizada pelas policias
  
Imagem do dia
Policia civil de Costa Rica queima quase 600 quilo de maconha
 
   
A irmandade dos falsos cegos
    
   
Por Benedicto Ismael Camargo Dutra

    
   
    
Publicidade
Hora da Noticia   |   (67) 9924-2726   |   [email protected]   |   Costa Rica - MS