Content on this page requires a newer version of Adobe Flash Player.

Get Adobe Flash player

www.horadanoticia.com.br
Aqui você lê o que acontece de fato
 
    Hora da Notícia (67) 9924-2726    Busca

Content on this page requires a newer version of Adobe Flash Player.

Get Adobe Flash player

   Primeira Página
   Notícias
      › Brasil
      › Alcinópolis
      › Camapuã
      › Chapadão do Sul
      › Costa Rica
      › Figueirão
      › Paraíso das Águas
   Guia de Negócios
   Agenda de Eventos
   Colunistas
   Galeria de Fotos
   Aniversariantes
   Notas Breves
   Charges
   Entrevistas
   Quem Somos
   Expediente
   Anuncie Aqui!
   Fale Conosco
  Informativo
  Cotações
Entrevistas
23/01/2018
A irmandade dos falsos cegos

O festival de besteiras que assola o país às vésperas do julgamento de Lula em Porto Alegre produziu pelo menos duas pérolas nas últimas 24 horas, ambas esmeradas por mulheres de grande projeção – a ex-presidente Dilma Rousseff e a e cientista política Maria Victória Benevides, professora da Universidade de São Paulo.
 
Para Dilma, a discussão sobre um possível plano B do PT à candidatura de Lula “é igual à discussão sobre ‘renuncie, presidente’. Pediam, ‘renuncie, presidente, é um gesto de grandeza’. Gesto de grandeza nada. É a tentativa de mascarar o golpe” – disse ela, e até aí tudo bem. Pelo menos faz sentido.
O que não faz foi o que ela disse em seguida: a possibilidade de Lula ser impedido pela Justiça de participar das eleições de outubro é um sinal da “derrota do golpe” que começou com o seu impeachment. Da derrota do golpe? Não seria o contrário – outra vitória dos que a apearam do poder e depois se voltaram contra Lula?
 
Para Maria Victória, o julgamento de Lula “é a prova eloquente da falência do Poder Judiciário no Brasil, dominado por uma ideia de Justiça que nada tem a ver com o Estado Democrático de Direito, que é anti-povo”. De novo: não seria justamente o contrário – a prova de robustez de uma justiça que serve para todos?
 
Ou Lula estaria acima da Justiça que temos? E por que somente ele? Há condenados e presos de vários partidos, mas a socióloga não parece duvidar da correção da Justiça que os puniu. E se a Justiça, amanhã, absolvesse Lula? O que diria Maria Victória? O que diriam os demais que pensam como ela?
 
Essa é fácil: diriam algo do tipo “o povo unido jamais será vencido”, pois foi ele que teria salvado Lula da farsa montada para bani-lo de vez da vida pública. De uma farsa, não: do golpe. Ou como prefere Dilma, de mais uma etapa do golpe que teve início com a sua deposição há quase dois anos.
Notícias em Destaque
20/09/2018 Pistoleiro invade bar, faz vários disparos, mata um e deixa dois feridos
20/09/2018 Datafolha confirma avanço de Haddad, mas Bolsonaro segue na liderança
19/09/2018 Candidata suspeita de vazar prova de concurso é excluída da disputa
19/09/2018 Polícia prende quadrilha que roubava caminhões e levava para o Paraguai
18/09/2018 Gaeco faz ação para prender 4 policiais e mais 21 pessoas por tráfico
 
     COLUNISTAS
  
     GALERIA DE FOTOS
Incineração de drogas
  
Imagem do dia
Policia civil de Costa Rica queima quase 600 quilo de maconha
 
   
A irmandade dos falsos cegos
    
   
Lincoln Secco
    
   
    
Publicidade
Hora da Noticia   |   (67) 9924-2726   |   [email protected]   |   Costa Rica - MS