Content on this page requires a newer version of Adobe Flash Player.

Get Adobe Flash player

www.horadanoticia.com.br
Aqui você lê o que acontece de fato
 
    Hora da Notícia (67) 9924-2726    Busca

Content on this page requires a newer version of Adobe Flash Player.

Get Adobe Flash player

   Primeira Página
   Notícias
      › Brasil
      › Alcinópolis
      › Camapuã
      › Chapadão do Sul
      › Costa Rica
      › Figueirão
      › Paraíso das Águas
   Guia de Negócios
   Agenda de Eventos
   Colunistas
   Galeria de Fotos
   Aniversariantes
   Notas Breves
   Charges
   Entrevistas
   Quem Somos
   Expediente
   Anuncie Aqui!
   Fale Conosco
  Informativo
  Cotações
Notícias
Busca 
Política
19/12/2017 - 07:43
Em convenção nacional, PMDB vai oficializar mudança de nome para 2018
Midiamax
A cúpula do PMDB no país, incluindo o presidente Michel Temer, se encontra na manhã desta terça-feira (19), em Brasília (DF) para a convenção extraordinária do partido, que dentre outras decisões, deve oficializar a mudança de nome da sigla.
 
Já nas eleições de 2018 o partido deve se apresentar como MDB (Movimento Democrático Brasileiro), mudança que deve ser confirmada no evento de hoje, que ainda não definirá outros pontos importantes para a sigla, como uma eventual reeleição de Michel Temer.
 
Denunciado no âmbito da Operação Lava Jato pelos crimes de corrupção e lavagem de dinheiro, o presidente nacional do PMDB, senador Romero Jucá, que chegou a ser gravado sugerindo que a ‘sangria’ das investigações fosse ‘estancada’, afirmou que o partido precisa ser duro com ‘traidores’.
 
"Não podemos ser um partido que está falando uma linguagem contrária ao que o partido faz a nível nacional. Discordar é importante, debater é importante, temos que ter vozes dissonantes, é importante, faz parte da democracia. Agora, não podemos ter uma pessoa querendo implodir um partido, atirando contra o partido e fazendo ações deliberadas para atacar o presidente da República", afirmou.
 
O PMDB expulsou recentemente a senadora Kátia Abreu, que divergiu de Temer e de projetos de interesse da sigla no Congresso, e pode repetir o mesmo com o também senador Roberto Requião, ex-governador do Paraná.
 
Outro peemedebista que também pode sofrer retaliações é o ex-presidente do Senado, Renan Calheiros, que não poupa críticas ao presidente da República e aliados, como o agora ministro da secretaria de governo, Carlos Marun.
 
O líder do partido na Câmara, deputado Baleia Rossi, disse que a legenda ainda busca um nome para disputar a eleição presidencial em 2018.
 
Com a alta rejeição e baixa popularidade, Temer, que precisou enfrentar duas denúncias de corrupção apresentadas contra ele pelo MPF (Ministério Público Federal) no Congresso.
    
› Deixe sua opinião
Nome  
E-mail  
Mensagem 
 
Digite as duas palavras que você vê abaixo:
 
 
   
Crise levou chefes de família ao desalento’, diz economista
    
   
Lincoln Secco
    
   
    
Publicidade
Hora da Noticia   |   (67) 9924-2726   |   [email protected]   |   Costa Rica - MS