www.horadanoticia.com.br
Aqui você lê o que acontece de fato
 
    Hora da Notícia (67) 9924-2726    Busca

Content on this page requires a newer version of Adobe Flash Player.

Get Adobe Flash player

   Primeira Página
   Notícias
      › Brasil
      › Alcinópolis
      › Camapuã
      › Chapadão do Sul
      › Costa Rica
      › Figueirão
      › Paraíso das Águas
   Guia de Negócios
   Agenda de Eventos
   Colunistas
   Galeria de Fotos
   Aniversariantes
   Notas Breves
   Charges
   Entrevistas
   Quem Somos
   Expediente
   Anuncie Aqui!
   Fale Conosco
  Informativo
  Cotações
Notícias
Busca 
Política
28/12/2017 - 14:23
Na contramão da crise, Costa Rica vai aumentar em 37% os gastos com educação e em 17% os investimentos na saúde
Informe Publicitário
Enquanto muitas prefeituras país afora e a União estão cortando despesas até mesmo em áreas prioritárias, por causa do momento econômico ruim que o Brasil enfrenta, o Governo Municipal de Costa Rica-MS vai aumentar em 37% os gastos com educação e em 17% os investimentos em saúde no ano de 2018. A previsão consta no projeto de Lei Orçamentária Anual (LOA), aprovado recentemente pela Câmara de Vereadores da cidade do norte de Mato Grosso do Sul. A proposição ratificada pelos parlamentares também cria o Fundo de Defesa Civil, garantindo a reserva de recursos para cobrir despesas com eventuais desastres naturais.
 
No âmbito do Poder Legislativo de Costa Rica, a LOA de 2018 eleva em 26,9% o valor destiando para o custeio da liberação de emendas parlamentares impositivas de autoria dos vereadores.
 
No Parlamento Municipal, a proposta de LOA tramitou em forma do Projeto de Lei (PL) n° 1.197/2017, de autoria do prefeito Waldeli dos Santos Rosa (MDB). Durante a sessão legislativa realizada na noite de segunda-feira (18/12), a matéria foi apreciada em segundo turno pelos vereadores costarriquenses, sendo ao final aprovada com oito votos favoráveis e dois votos contrários.
 
Na LOA em vigor – de 2017 – o Executivo de Costa Rica estabeleceu um limite de gastos de R$ 23.498.981,44 em educação. Já para o ano que vem, conforme o projeto aprovado recentemente pela Câmara, esse teto de despesas aumentou para R$ 32.397.000, um incremento de R$ 8.898.018,56, o que representa um acréscimo de 37% em comparação a 2017.
 
Na área de saúde, a LOA de 2017 fixou um limite de despesas no importe de R$ 25.894.160,00. Já em 2018, o Governo Municipal pretende investir R$ 30.517.200.00 nesse setor crucial da administração pública. Serão R$ 4.623.040,00 a mais para serem gastos na saúde, um incremento de 17% em relação a 2017.
 
Outra novidade que a LOA de 2018 traz, é a criação do Fundo Municipal de Defesa Civil, que reserva R$ 1,16 milhões do orçamento do município, no ano que vem, para prestação de socorro e amparo às pessoas atingidas por desastres naturais na cidade. De acordo com o prefeito Waldeli, essa reserva só poderá ser usada em situações de calamidade pública, de modo que os valores não utilizados ficarão retidos em conta bancária, acumulando de um ano para o outro.
 
Em relação ao Poder Legislativo, os recursos disponíveis para a liberação de emendas parlamentares impositivas – de autoria dos vereadores - também aumentou de R$ 563.271,25 em 2017, para R$ 715 mil no ano que vem, conforme estabelece a LOA de 2018, o que representa um acréscimo de 26,9%. Divido pelos 11 vereadores, cada edil poderá liberar emendas até o limite de R$ 65 mil, no ano que vem.
 
A criação das emendas parlamentares para os vereadores nasceu em 2016, com a aprovação da Emenda à Lei Orgânica n° 023/2016, que reduziu o duodécimo da Câmara de 7% para 6% e transformou o 1% restante em recursos para cobrir os custos com a liberação das emendas. Com uma emenda impositiva, o vereador pode determinar que seja feito um investimento em determinada obra, serviço público ou mesmo destinar recursos para entidades assistenciais que estão conveniadas com o Governo Municipal.
 
De forma geral, o PL n° 1.197/2017 estima que serão arrecadados R$ 116.525.000,00 para os cofres municipais, em 2018, um aumento de R$ 7,69% em relação à previsão de arrecadação para 2017. A perspectiva de crescimento das receitas municipais leva em considerando a inflação e o crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) do Brasil.
 
Com isso, a meta é dividir o bolo da receita do ano que vem da seguinte forma: R$ 97,3 milhões para serem gastos pelo Poder Executivo; R$ 5.220.000,00 pelo Serviço Municipal de Água e Esgoto (SAAE); R$ 4,1 milhões pela Câmara Municipal; e R$ 9.905.000,00 pelo Serviço Municipal de Previdência de Costa Rica, o que representa um limite de despesas, em 2018, que é 8,38% maior que o teto de gastos planejado na Lei Orçamentária Anual em vigor – LOA de 2017.
 
Além disso, estão sendo assegurados no PL n° 1997/2017 recursos suficientes para cobrir os custos com a reposição salarial anual dos funcionários do Executivo no ano que vem, até o limite de 2% acima do índice da inflação medida. Isto é, se a inflação for de 4%, a recomposição pode chegar a 6%, por exemplo.
 
O projeto de LOA começou a tramitar na Câmara de Vereadores no dia 31 de outubro. Ao longo desse um mês e meio, a matéria foi cuidadosamente e rigorosamente estudada pelos parlamentares municipais. Inclusive, o Legislativo costarriquense promoveu audiência pública no dia 27 de novembro, para discutir e debater a proposta de lei orçamentária com a população.
 
Aprovado pela Câmara, o PL n° 1.197/2017 aguarda apenas a sanção do prefeito Waldeli, para entrar em vigor e se transformar oficialmente em lei municipal. A LOA é uma lei elaborada pelo Poder Executivo que estabelece as despesas e as receitas que serão realizadas no próximo ano.
Ademilson Lopes
    
› Deixe sua opinião
Nome  
E-mail  
Mensagem 
 
Digite as duas palavras que você vê abaixo:
 
 
   
A rebelião dos juízes
    
   
O Estado de São Paulo
    
   
    
Publicidade
Hora da Noticia   |   (67) 9924-2726   |   [email protected]   |   Costa Rica - MS