Content on this page requires a newer version of Adobe Flash Player.

Get Adobe Flash player

www.horadanoticia.com.br
Aqui você lê o que acontece de fato
 
    Hora da Notícia (67) 9924-2726    Busca

Content on this page requires a newer version of Adobe Flash Player.

Get Adobe Flash player

   Primeira Página
   Notícias
      › Brasil
      › Alcinópolis
      › Camapuã
      › Chapadão do Sul
      › Costa Rica
      › Figueirão
      › Paraíso das Águas
   Guia de Negócios
   Agenda de Eventos
   Colunistas
   Galeria de Fotos
   Aniversariantes
   Notas Breves
   Charges
   Entrevistas
   Quem Somos
   Expediente
   Anuncie Aqui!
   Fale Conosco
  Informativo
  Cotações
Notícias
Busca 
Política
12/03/2018 - 12:58
Lama Asfáltica: ex-servidor e família tiveram R$ 3,6 milhões bloqueados
Foto: Reprodução
Midiamax
Wilson Roberto Mariano
Wilson Roberto Mariano
Antes de ser preso na última sexta-feira (10), o ex-fiscal de obras da Agesul (Agência Estadual de Gestão e Empreendimentos), Wilson Roberto Mariano, conhecido como Beto Mariano, além de outras três pessoas, tiveram R$ 3,6 milhões em bens bloqueados. A suspeita é de suposto esquema de compra de imóveis rurais para justificar dinheiro vindo de propina.
 
A decisão atendeu à ação ingressada pelo MP-MS (Ministério Público Estadual) no fim de fevereiro e que permaneceu em sigilo até o momento. A inicial aponta suposto enriquecimento ilícito, com considerável evolução patrimonial incompatível e possivelmente atrelada ao conteúdo apurado pela Operação Lama Asfáltica.
 
“Com a investigação, apurou-se que os valores repassados a título de propina eram mascarados com diversos tipos de operações simuladas, de forma a dar falsa impressão de licitude ao aumento patrimonial dos integrantes do grupo ou de dar maior sustentação financeira aos seus projetos”, diz a inicial.
 
Segundo a apuração do promotor de Justiça Marcos Alex Vera, a filha do servidor, Mariane Mariano, em prisão domiciliar justamente devido à Lama Asfáltica, sua esposa Maria Helena Miranda de Oliveira e o genro João Pedro Figueiró Dornellas criaram mecanismo para esconder parte do patrimônio e movimentar as importâncias em dinheiro que não teria como justificar pelos seus rendimentos legais.
Os dados que embasaram a ação são oriundos de investigação da Polícia Federal, compartilhada com o MP-MS. No processo há transcrições de interceptações telefônicas feitas com autorização da Justiça, movimentações bancárias e informações fornecidas pela Receita Federal.
 
Tanto que auditoria feita pelo Núcleo de Pesquisa da Receita Federal concluiu que entre 2008 e 2014 Beto e a esposa apresentaram fluxo de caixa deficitário, “o que evidencia possível omissão de rendimentos, cuja origem pode estar atrelada a ganhos advindos do esquema criminoso investigado na Operação Lama Asfáltica”.
 
O ex-servidor possivelmente, omitiu receitas da atividade rural. Mariane a partir de doações recebidas do pai, começou a ter considerável evolução patrimonial, com aquisição de várias propriedades rurais em conjunto com outras pessoas, dentre as quais o ex-secretário estadual de Obras Edson Giroto que neste momento está preso junto com Beto. Pelo menos cinco fazendas foram compradas em sociedade com o ex-coordenador da Agesul, João Afif.
 
A filha, assim como o pai, também apresentou fluxo de caixa negativo em alguns anos-calendário e omite aquisição de imóvel no qual provavelmente reside. Conta bancária dela e de sua mãe foram usadas para transitar dinheiro de propina dada a Giroto, Beto e Afif, segundo o promotor.
 
Depois o dinheiro era usado para comprar propriedades rurais e outras despesas da atividade agropecuária, sendo Mariane e o marido os responsáveis pelos depósitos. Segundo os autos, tudo foi comprovado nos diálogos legalmente interceptados.
 
Além disso, documentos apreendidos na casa de Beto reforçaram as provas de que ele era o administrador das fazendas comparadas em nome da filha, de Giroto e Afif. Foram achadas diversas anotações de despesas de várias fazendas, dados bancários e recibo comprovando o pagamento de uma das parcelas de aquisição da Fazenda Maravilha, em valor superior a R$1,5 milhão, bem como uma procuração conferindo poder a Afif , Edson e Fernando Giroto.
 
Portanto, segundo o promotor de Justiça, todos os contratos de compra e venda de imóveis eram ideologicamente falsos. Do mesmo modo, todos os cheques, procurações e outros documentos assinados por Mariane na gestão das fazendas eram falsos e tinham por única e exclusiva finalidade esconder a real propriedade dos imóveis rurais, justificando formalmente o trânsito do dinheiro não declarado pelo agente público e permitindo o distanciamento dos bens de sua origem ilícita.
 
Para se ter ideia, em 2013, houve movimentação financeira com total de lançamentos a crédito de R$ 3,5 milhões equivalente a cerca de 17 vezes o total de rendimento declarados. Ainda na busca e apreensão foram encontrados na casa do ex-fiscal de obras mais de R$ 25 mil em espécie, U$ 10,3 mil dólares e E$ 2 mil euros. Valores não declarados ao fisco.
    
› Deixe sua opinião
Nome  
E-mail  
Mensagem 
 
Digite as duas palavras que você vê abaixo:
 
 
   
Crise levou chefes de família ao desalento’, diz economista
    
   
Lincoln Secco
    
   
    
Publicidade
Hora da Noticia   |   (67) 9924-2726   |   [email protected]   |   Costa Rica - MS