www.horadanoticia.com.br
Aqui você lê o que acontece de fato
 
    Hora da Notícia (67) 9924-2726    Busca

Content on this page requires a newer version of Adobe Flash Player.

Get Adobe Flash player

   Primeira Página
   Notícias
      › Brasil
      › Alcinópolis
      › Camapuã
      › Chapadão do Sul
      › Costa Rica
      › Figueirão
      › Paraíso das Águas
   Guia de Negócios
   Agenda de Eventos
   Colunistas
   Galeria de Fotos
   Aniversariantes
   Notas Breves
   Charges
   Entrevistas
   Quem Somos
   Expediente
   Anuncie Aqui!
   Fale Conosco
  Informativo
  Cotações
Notícias
Busca 
Polícia
13/03/2018 - 06:04
Dorsa queria reexame de multa de R$ 54,8 mil, parcelada em 36 vezes
Foto: Reprodução
Midiamax
O médico cardiologista José Carlos Dorsa, que foi encontrado morto neste domingo (11) em uma sauna de Campo Grande, pediu o reexame contra o Acórdão 2.059/2016 do TCU (Tribunal de Contas da União), de acordo com publicação do Diário Oficial da União desta segunda-feira (12). O ex-diretor do Hospital Universitário da UFMS (Universidade Federal de Mato Grosso do Sul) havia sido multado em R$ 54.820,84, parcelados em até 36 vezes.
 
Outros condenados pelo Tribunal assinam o pedido, que solicita a revisão das punições. Na época, ficou comprovado pela CGU (Controladoria-Geral da União) que Dorsa era de fato o dono da empresa Cardiocec Serviços, Comércio e Representações Ltda, contratada pelo Hospital.
 
O contrato com o Hospital Universitário para serviços de perfusão, assessoria técnica em estimulação cardíaca artificial e demais procedimentos cardiovasculares de alta complexidade tinha custo mensal de R$ 15.000,00. Segundo dados do Portal da Transparência, foram realizados pagamentos à empresa no montante de R$ 540.000,00, de 2010 a 2013.
 
Uma das provas da ligação entre a empresa e Dorsa era de que um cartão de crédito do médico, com fatura de R$ 17.565,43, foi pago pela empresa. O cardiologista também possuía forte vínculo com os donos oficiais da empresa, já que também ficou comprovado que um deles residia no mesmo endereço do médico e o outro era seu primo.
 
Segundo o TCU, o ex-diretor geral agiu com dolo na prática de irregularidades graves, que feriram os princípios básicos da licitação, visando à obtenção de vantagem pecuniária. À época, o valor da multa aplicado foi o máximo do art. 58, II, da Lei 8.443/1992 pela ‘conduta reprovável’, bem como a pena de inabilitação prevista no art. 60 da Lei 8.443/1992.
 
Máfia do Câncer e Sangue Frio
Realizada no dia 19 de março de 2013, a operação contra a Máfia do Câncer da PF (Polícia Federal) apreendeu documentos no Hospital do Câncer e no HU (Hospital Universitário). Também foram alvos a clínica NeoRad e a residência do médico Adalberto Abrão Siufi.
 
Em março, poucos dias antes da operação, o MPE denunciou os diretores do Hospital do Câncer por autocontratação, prática proibida, e valor diferenciado para a clínica de Siufi, que recebia tabela SUS mais 70%. O Ministério Público ainda apontou a contratação de parentes do médico por valores acima do praticado no mercado. Com a operação, a direção foi afastada pelo Conselho Curador do hospital.
 
No HU de Campo Grande, a Operação Sangue Frio também resultou na troca de comando. Primeiro afastado judicialmente, o diretor José Carlos Dorsa Vieira Pontes pediu para sair. Auditoria realizada pela CGU (Controladoria-Geral da União) em 2012 verificou prejuízo de R$ 973 mil aos cofres públicos. O valor foi obtido após levantamento em contratos do Hospital Universitário que somam R$ 11 milhões.
 
A análise trouxe à tona uma série de irregularidades, como direcionamento de licitação, montagem de processos licitatórios, subcontratação de serviços para empresas ligadas a dirigentes do hospital, superfaturamento e emissão de empenho anterior à adesão em ata de registro de preços.
    
› Deixe sua opinião
Nome  
E-mail  
Mensagem 
 
Digite as duas palavras que você vê abaixo:
 
 
   
Crise levou chefes de família ao desalento’, diz economista
    
   
Lincoln Secco
    
   
    
Publicidade
Hora da Noticia   |   (67) 9924-2726   |   [email protected]   |   Costa Rica - MS