Content on this page requires a newer version of Adobe Flash Player.

Get Adobe Flash player

www.horadanoticia.com.br
Aqui você lê o que acontece de fato
 
    Hora da Notícia (67) 9924-2726    Busca

Content on this page requires a newer version of Adobe Flash Player.

Get Adobe Flash player

   Primeira Página
   Notícias
      › Brasil
      › Alcinópolis
      › Camapuã
      › Chapadão do Sul
      › Costa Rica
      › Figueirão
      › Paraíso das Águas
   Guia de Negócios
   Agenda de Eventos
   Colunistas
   Galeria de Fotos
   Aniversariantes
   Notas Breves
   Charges
   Entrevistas
   Quem Somos
   Expediente
   Anuncie Aqui!
   Fale Conosco
  Informativo
  Cotações
Notícias
Busca 
Política
13/03/2018 - 07:47
Reviravolta no TJ valida licitação suspeita e motorista pode pagar R$ 91 por inspeção veicular
Foto: Divulgação
O Jacaré
Desembargador Sideni Soncini Pimental
Desembargador Sideni Soncini Pimental
Mais uma taxa vai pesar no bolso do contribuinte de Campo Grande. A reviravolta silenciosa, antecipada pelo O Jacaré no dia 15 de janeiro deste ano, confirmou-se no Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul, que reviu sentença do primeiro grau e validou licitação de Nelsinho Trad (PTB), que garante faturamento de R$ 683 milhões a um grupo econômico mediante a cobrança da taxa de inspeção veicular ambiental, que deverá ser de R$ 91 por ano.
 
A 5ª Câmara Cível do TJMS acatou o recurso, por quatro votos a um, do Consórcio Inspecionar – formado pelas empresa Ivex Inspeção Veicular, Otimiza Sistemas e Cotran Controle de Transportes – e da Prefeitura de Campo Grande. Eles rebateram o argumento de que houve direcionamento na licitação.
 
O relator do processo, desembargador Luiz Tadeu Barbosa Silva, votou pela manutenção da sentença do juiz David de Oliveira Gomes Filho, da 2ª Vara de Direitos Difusos, Coletivos e Individuais Homogêneos, que anulou a licitação por suspeita de direcionamento para dar vitória ao consórcio.
 
Para Silva, a licitação realizada por Nelsinho feriu as leis 8.666/93 (de Licitações) e 12.843/2013 (Anticorrupção). A primeira é clara que não se pode exigir propriedade e localização. Este critério, de exigir uma área de 10 mil metros quadrados e outras duas alternativas, levou a exclusão de todos os participantes do certame e a classificação apenas do Consórcio Inspecionar.
 
A Lei Anticorrupção também é clara no sentido de que o gestor público não pode reprimir a concorrência nem impor critérios de direcionamento. “As referidas exigências repise-, expressamente inadmissíveis pela Lei de Licitações, resultaram em frustração ao caráter competitivo da licitação em questão, tento em vista que limitaram a concorrência pública a uma única pessoa jurídica – Inspecionar Inspeção Ambiental Veicular SPE Ltda. – que somente esta preenchia tais requisitos que, além de consistirem em exigências legais, deixam claro o direcionamento do processo licitatório”, conclui o desembargador Luiz Tadeu Barbosa Silva.
 
A reviravolta começou com o voto do desembargador Sideni Soncini Pimentel, que divergiu do relator, para acatar o recurso do grupo e da prefeitura. Ele destacou que as exigências revelam a preocupação do gestor com a manutenção da prestação do serviço, já que a inspeção veicular será realizada anualmente em aproximadamente 500 mil veículos e pelo período de 20 anos.
 
Ao exigir uma área de 10 mil metros quadrados, que levou o grupo a ser o único a ser habilitado, Nelsinho se mostrou preocupado com o risco de interrupção do serviço e do custo recair sobre o poder público.
 
O magistrado citou ainda a decisão do Conatran (Conselho Nacional de Trânsito), de 30 de novembro do ano passado, que obriga a realização de inspeção veicular anual. Se não pagar a taxa de R$ 91 (considerando-se o valor corrigido sobre os R$ 67 definidos por Nelsinho), o condutor pode sofrer sanções e não conseguir licenciar o veículo.
 
O voto de Sideni foi acompanhado pelos desembargadores Júlio Roberto Siqueira Cardoso, Vladimir Abreu da Silva e Odemilson Roberto Castro Fassa.
 
A esperança dos contribuintes de Campo Grande, irritados com a alta carga tributária, é o MPE recorrer contra o acórdão da 5ª Câmara Cível.
 
 
Desembargador Sideni Soncini Pimental não viu limitação com exigência, mas preocupação em garantir a continuidade do serviço. Ele comendou reviravolta no TJ (Foto: Arquivo)
 
Caso contrária, após retomar a taxa do lixo, que voltará a ser cobrada em abril deste ano, o prefeito Marquinhos Trad vai criar a taxa da inspeção veicular, obrigatória para quem possuir veículo no próximo ano.
 
Ele deverá usar o mesmo argumento para bancar a Solurb, de que foi obrigado porque a prefeitura não pode pagar pela coleta do lixo de cada cidadão. No caso da inspeção veicular, Marquinhos poderá argumentar que é uma determinação do Conatran e do Tribunal de Justiça.
 
Contudo, ele defendeu a validação do contrato firmado pelo irmão.
 
Ao cidadão, que se sente impotente diante das decisões do poder público no Brasil, não restará alternativa a não ser pagar.
 
Só no caso dos motoristas, a conta começou a ficar salgada com a posse de Reinaldo Azambuja (PSDB), que autorizou aumento de 40% no valor do IPVA.
 
Ele deverá retomar a inspeção veicular para avaliar a segurança do veículo, que foi suspensa, mas voltou a ter aval do conselho nacional.
 
Como sempre inventa uma novidade para cobrar uma taxa, a inspeção ambiental também será obrigatória e poderá ser implementada em 2019, após a eleição deste ano.
 
Entendeu?
    
› Deixe sua opinião
Nome  
E-mail  
Mensagem 
 
Digite as duas palavras que você vê abaixo:
 
 
   
Crise levou chefes de família ao desalento’, diz economista
    
   
ESTADÃO
    
   
    
Publicidade
Hora da Noticia   |   (67) 9924-2726   |   [email protected]   |   Costa Rica - MS