www.horadanoticia.com.br
Aqui você lê o que acontece de fato
 
    Hora da Notícia (67) 9924-2726    Busca

Content on this page requires a newer version of Adobe Flash Player.

Get Adobe Flash player

   Primeira Página
   Notícias
      › Brasil
      › Alcinópolis
      › Camapuã
      › Chapadão do Sul
      › Costa Rica
      › Figueirão
      › Paraíso das Águas
   Guia de Negócios
   Agenda de Eventos
   Colunistas
   Galeria de Fotos
   Aniversariantes
   Notas Breves
   Charges
   Entrevistas
   Quem Somos
   Expediente
   Anuncie Aqui!
   Fale Conosco
  Informativo
  Cotações
Notícias
Busca 
Polícia
10/04/2018 - 21:13
Paulo Preto, Aécio, Alckmin e Azeredo: o inferno astral do PSDB
Foto: Beto Oliveira
Veja
A grande repercussão da detenção do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e o impacto disso nas pretensões eleitorais do PT praticamente monopolizaram o debate no mundo político nos últimos dias. A barulhenta prisão, no entanto, ofuscou o inferno astral no qual mergulhou o seu arquirrival, o PSDB, atingido por uma série de notícias negativas com imenso potencial para abalar os planos da legenda – e até para colocar algum tucano graúdo atrás das grades.
 
Um dia depois de o juiz Sergio Moro decretar a prisão de Lula, a Polícia Federal prendeu Paulo Vieira de Souza, conhecido como Paulo Preto, alcunha que assombra os poleiros tucanos já há algum tempo. Preso, seu potencial como delator cresce muito. Conhecido como operador do PSDB na arrecadação de dinheiro junto às empreiteiras para campanhas eleitorais, o ex-diretor da Dersa, estatal paulista de transportes, é acusado de ter desviado 7,7 milhões de reais das desapropriações pagas pelo trecho sul do Rodoanel durante as gestões de Geraldo Alckmin e José Serra.
 
 O engenheiro Paulo Vieira de Souza, conhecido como Paulo Preto, apontado como ‘operador’ do PSDB
O engenheiro Paulo Vieira de Souza, conhecido como Paulo Preto, apontado como ‘operador’ do PSDB (Geraldo Magela/Agência Senado)
 
Nesta terça-feira, mais três más notícias para os tucanos. Na de maior impacto político delas, o Ministério Público Federal em São Paulo pediu à Procuradoria-Geral da República o envio “com urgência” para primeira instância das investigações sobre o tucano, que perdeu o foro privilegiado ao renunciar, na sexta-feira, 7, ao cargo de governador para disputar a Presidência da República na eleição deste ano.
 
A pressa para a mudança de foro se deve, segundo os procuradores da força-tarefa da Operação Lava Jato no estado, ao “andamento avançado de outras apurações correlatas sob nossa responsabilidade”. Na investigação, Alckmin é suspeito de receber doações ilícitas de campanha da Odebrecht por meio de seu cunhado, Adhemar César Ribeiro. O inquérito foi aberto a partir das delações premiadas dos ex-executivos da empreiteira.
 
Outra má notícia foi a decisão do ministro Marco Aurélio Mello de incluir na pauta de julgamentos da Primeira Turma do Supremo Tribunal Federal (STF) da próxima terça-feira, 17, a denúncia da Procuradoria-Geral da República (PGR) contra o senador Aécio Neves (PSDB-MG) pelos crimes de corrupção passiva e obstrução à Justiça. Apresentada em junho de 2017, a acusação será analisada pelos cinco ministros do colegiado: Marco Aurélio, Luís Roberto Barroso, Rosa Weber, Alexandre de Moraes e Luiz Fux – se a denúncia for aceita, Aécio vira réu.
 
A acusação da PGR foi formulada no âmbito da Operação Patmos, deflagrada a partir das delações premiadas de executivos do Grupo J&F. Em março de 2017, o empresário Joesley Batista, um dos sócios do conglomerado, gravou o senador tucano pedindo-lhe 2 milhões de reais. O montante, segundo a acusação, foi entregue em quatro parcelas de 500.000 reais, em dinheiro vivo, a um primo de Aécio, Frederico Pacheco de Medeiros, nos dias 5, 12, 19 de abril e 3 de maio. Parte dos valores foi entregue a Mendherson Souza Lima, ex-assessor do senador Zezé Perrella (MDB-MG), que levou o dinheiro a Belo Horizonte.
 
A Polícia Federal filmou os dois recebendo o dinheiro das mãos do diretor de Relações Institucionais da JBS e também delator, Ricardo Saud. Além do senador, foram denunciados Pacheco de Medeiros, Souza Lima e a irmã de Aécio Andrea Neves.
 
Prisão
 
O caso mais grave, no entanto, tende a ser o do ex-governador de Minas Gerais Eduardo Azeredo. O ministro Jorge Mussi, do Superior Tribunal de Justiça (STJ), negou nesta terça-feira uma liminar para impedir a sua prisão, alegando que, ao contrário do que alegava sua defesa, não há “constrangimento ilegal” no acórdão do Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG) que autoriza a execução da pena após o esgotamento dos seus recursos em segunda instância.
 
Cabe recurso contra a decisão, a ser analisada pela 5ª turma do STJ. O caso é semelhante ao de Lula, que também teve habeas corpus contra a prisão em segunda instância frustrados nas cortes superiores.
 
O tucano foi condenado a 20 anos e dez meses de prisão pelos crimes de peculato e lavagem de dinheiro, no processo conhecido como “mensalão mineiro” ou “mensalão tucano”. De acordo com a denúncia do Ministério Público Federal (MPF), o ex-governador foi beneficiado por um esquema de doações ilegais para sua campanha à reeleição ao governo de Minas em 1998.
    
› Deixe sua opinião
Nome  
E-mail  
Mensagem 
 
Digite as duas palavras que você vê abaixo:
 
 
   
A irmandade dos falsos cegos
    
   
Lincoln Secco
    
   
    
Publicidade
Hora da Noticia   |   (67) 9924-2726   |   [email protected]   |   Costa Rica - MS