www.horadanoticia.com.br
Aqui você lê o que acontece de fato
 
    Hora da Notícia (67) 9924-2726    Busca

Content on this page requires a newer version of Adobe Flash Player.

Get Adobe Flash player

   Primeira Página
   Notícias
      › Brasil
      › Alcinópolis
      › Camapuã
      › Chapadão do Sul
      › Costa Rica
      › Figueirão
      › Paraíso das Águas
   Guia de Negócios
   Agenda de Eventos
   Colunistas
   Galeria de Fotos
   Aniversariantes
   Notas Breves
   Charges
   Entrevistas
   Quem Somos
   Expediente
   Anuncie Aqui!
   Fale Conosco
  Informativo
  Cotações
Notícias
Busca 
Política
17/05/2018 - 06:26
TJ derruba liminares que livravam servidores com altos salários dos 14% para Ageprev
Foto: Reprodução
Midiamax
O Governo do Estado conseguiu na Justiça derrubar três liminares que garantiam desconto previdenciário menor para três categorias de servidores estaduais que recebem mais de R$ 5.645,80 mensais. A decisão do presidente do TJMS (Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul), desembargador Divoncir Schreiner Maran, nesta quarta-feira (16), atendeu pedido da Ageprev (Agência Previdenciária de Mato Grosso do Sul).
 
O revés deve arrefecer os ânimos das outras categorias que também tentavam escapar da alíquota maior. Deverão contribuir com 14% à previdência os docentes da UEMS (Universidade Estadual de MS), os membros do MPE-MS (Ministério Público Estadual) e os defensores públicos do Estado.
 
Na semana passada, as três entidades conseguiram na Justiça de primeiro grau liminares que garantiam contribuição de 11%, valor atual para quem recebe até R$ 5,6 mil. O aumento na alíquota faz parte da reforma previdenciária estadual, aprovada no ano passado pela Assembleia Legislativa e que começou a valer esse mês de maio.
 
Na decisão desta quarta, o presidente do TJ concordou com os três agravos internos ajuizados pela Ageprev após as decisões favoráveis aos servidores. Conforme a agência, se a nova alíquota não for colocada em prática, sérios prejuízos seriam arcados pelo Estado.
 
O desembargador Divoncir afirmou no despacho que o dano aos cofres estaduais poderia chegar a R$ 8,2 milhões por mês. Ao Jornal Midiamax, o diretor-presidente da Ageprev, Jorge Martins, afirmou que se todas as categorias que recebem acima do teto deixassem de contribuir com 14%, em um ano o rombo na previdência aumentaria R$ 120 milhões.
 
“Nessa conjuntura de comprometimento da economia pública, compreendida enquanto direito social e dever do Estado na adoção de medidas que visem à promoção do bem comum pela distribuição e manutenção dos serviços públicos, a suspensão das liminares ora combatidas privilegia o interesse público, porquanto assegura o cumprimento de uma lei estadual válida e eficaz, aprovada após o regular processo legislativo, com o objetivo de amenizar o desequilíbrio das contas da previdência estadual”, afirmou o desembargador.
 
Além dessas três ações, outras sete foram ajuizadas por categorias diferentes e serão analisadas por juízes da primeira instância.
    
› Deixe sua opinião
Nome  
E-mail  
Mensagem 
 
Digite as duas palavras que você vê abaixo:
 
 
   
Crise levou chefes de família ao desalento’, diz economista
    
   
Lincoln Secco
    
   
    
Publicidade
Hora da Noticia   |   (67) 9924-2726   |   [email protected]   |   Costa Rica - MS