www.horadanoticia.com.br
Aqui você lê o que acontece de fato
 
    Hora da Notícia (67) 9924-2726    Busca

Content on this page requires a newer version of Adobe Flash Player.

Get Adobe Flash player

   Primeira Página
   Notícias
      › Brasil
      › Alcinópolis
      › Camapuã
      › Chapadão do Sul
      › Costa Rica
      › Figueirão
      › Paraíso das Águas
   Guia de Negócios
   Agenda de Eventos
   Colunistas
   Galeria de Fotos
   Aniversariantes
   Notas Breves
   Charges
   Entrevistas
   Quem Somos
   Expediente
   Anuncie Aqui!
   Fale Conosco
  Informativo
  Cotações
Notícias
Busca 
Política
25/05/2018 - 08:50
Após faturar R$ 2,1 bilhões, CCR vai à Justiça para abandonar BR-163 sem pagar multa
Foto: Reprodução
O Jacaré
Geraldo Alckmin (PSDB) é acusado de ter recebido R$ 5 milhões da CCR, concessionária que explora a BR-163
Geraldo Alckmin (PSDB) é acusado de ter recebido R$ 5 milhões da CCR, concessionária que explora a BR-163
Após entrar na mira da Operação Lava Jato e faturar R$ 2,1 bilhões em Mato Grosso do Sul, a CCR MS Via ingressou com ação na Justiça para abandonar a BR-163 sem pagar multa. A estratégia da concessionária é manter a máquina de lucro sem cumprir o contrato e ainda explorar os motoristas.
 
 
 
Neste mês venceu o prazo para a empresa duplicar mais 190 quilômetros da rodovia. Pelo contrato, a ANTT (Agência Nacional de Transporte Terrestre) poderia executar as cláusulas do contrato, com a aplicação de punições que vão desde a aplicação de multa até a retomada da concessão.
 
Veja mais:
Beneficiada por manobra, CCR pode reduzir pedágio se não duplicar 193 km até maio
O maior risco é a concessionária, beneficiada por reajustes generosos por parte do presidente Michel Teme (MDB), ser obrigada a pagar multa e ainda não ser indenizada pelos investimentos feitos no Estado.
 
A BR-163 se transformou em uma mina de dinheiro para a companhia paulista. Desde o início da cobrança do pedágio, a concessionária faturou R$ 2,109 bilhões, conforme os balanços publicados até o momento.
 
A lógica para lucrar é perversa com o usuário. Só para se ter ideia, no primeiro trimestre deste ano, a receita bruta da concessionária teve queda de 26,6%, de R$ 170,9 milhões para R$ 125,4 milhões.
 
No entanto, o lucro teve aumento de 36,6%, de R$ 7,122 milhões para R$ 9,727 milhões. A receita com pedágio cresceu 11,4%, de R$ 64,4 milhões para R$ 71,7 milhões.
 
Enquanto os acionistas tiveram ganhos, o usuário acabou penalizado, porque pagou por um serviço não realizado. Para garantir o lucro, a empresa reduziu em 50% os investimentos em duplicação e manutenção, conforme o relatório do primeiro trimestre de 2018.
 
Os 138 quilômetros só foram duplicados porque houve financiamento do BNDES. Como não ia cumprir a meta prevista no contrato, a empresa conseguiu estender este prazo. No entanto, não conseguiu cumprir o novo acordo, conforme reportagem desta quarta-feira do Correio do Estado.
 
Na segunda-feira, a empresa anunciou, em comunicado ao mercado, que ingressou com ação na Justiça contra a ANTT e com possibilidade de rescisão do contrato de concessão da BR-163. A estratégia é devolver a concessão se for obrigada a cumprir o contrato, que previa a duplicação dos 847 quilômetros em cinco anos.
 
A reação da empresa surge em momento delicado, porque entrou na mira da famosa e temível Operação Lava Jato. A Polícia Federal aponta o pagamento de R$ 5 milhões ao ex-governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), pré-candidato a presidente da República.
 
A duplicação da BR-163 é fundamental para o desenvolvimento do Estado, porque melhora a logística para o escoamento da safra e a industrialização. Além disso, é importantíssimo para garantir a segurança dos motoristas que transitam na via.
 
Estatísticas da concessionária revelam que as mortes continuam em queda a cada ano. De janeiro a março deste ano foram registrados 294 acidentes, queda de 27% em relação ao mesmo período do ano passado, quando foram 402 ocorrências. Foram seis mortes, contra 16 em 2017.
 
Ou seja, aos poucos, a duplicação vem dando segurança e acabando com o rótulo de “rodovia da morte”. No entanto, os políticos sul-mato-grossenses deveriam olhar com mais carinho para o usuário e exigir fiscalização efetiva do contrato. A empresa não pode ficar com os cofres cheios e transformar a BR-163 em um grande abacaxi.
    
› Deixe sua opinião
Nome  
E-mail  
Mensagem 
 
Digite as duas palavras que você vê abaixo:
 
 
   
A irmandade dos falsos cegos
    
   
Lincoln Secco
    
   
    
Publicidade
Hora da Noticia   |   (67) 9924-2726   |   [email protected]   |   Costa Rica - MS