Content on this page requires a newer version of Adobe Flash Player.

Get Adobe Flash player

www.horadanoticia.com.br
Aqui você lê o que acontece de fato
 
    Hora da Notícia (67) 9924-2726    Busca

Content on this page requires a newer version of Adobe Flash Player.

Get Adobe Flash player

   Primeira Página
   Notícias
      › Brasil
      › Alcinópolis
      › Camapuã
      › Chapadão do Sul
      › Costa Rica
      › Figueirão
      › Paraíso das Águas
   Guia de Negócios
   Agenda de Eventos
   Colunistas
   Galeria de Fotos
   Aniversariantes
   Notas Breves
   Charges
   Entrevistas
   Quem Somos
   Expediente
   Anuncie Aqui!
   Fale Conosco
  Informativo
  Cotações
Notícias
Busca 
Polícia
21/06/2018 - 07:49
Justiça nega pela segunda vez pedido de liberdade de sargento preso em operação contra cigarreiros
Foto: Reprodução
Midiamax
A Justiça negou, nesta quarta-feira (20), mais um pedido de liberdade provisória do 2º sargento da Polícia Militar e ex-assessor da Secretaria de Estado de Governo, Ricardo Campos Figueiredo, suspeito de envolvimento na ‘Máfia dos Cigarreiros’.
 
O pedido foi feito novamente para que Ricardo respondesse ao processo em liberdade, no dia 5 deste mês, após uma audiência em que o sargento prestou esclarecimentos. Os advogados do militar haviam impetrado um habeas corpus, que foi contestado pelo MP (Ministério Público), que acredita que Ricardo poderia obstruir as investigações e que já foi comprovada a autoria e materialidade do crime de obstrução, quando da sua prisão durante a deflagração da Operação Oiketicus pelo Gaeco, no dia 16 de maio.
 
Audiência e pedido
 
Durante audiência de instrução, o sargento teria reiterado seu pedido de liberdade por não representar perigo à ordem pública depois que testemunhas foram ouvidas. A oitiva das testemunhas que investiga a participação de Ricardo na ‘Máfia dos Cigarreiros’ foi marcada para o dia 25 deste mês.
 
Testemunha arroladas
Uma das testemunhas arroladas por Ricardo Campos é o Coronel do DOF (Departamento de Operações de Fronteira), Kleber Haddad Lane. O pedido foi feito em substituição a outra testemunha.
 
Ricardo foi preso durante a deflagração da Operação Oiketikus no dia 16 de maio. Na ocasião, ele destruiu dois celulares.  Ao todo, a Corregedoria da Polícia Militar e o Gaeco cumpriram 66 mandados, sendo 21 de prisão e 45 de busca e apreensão.
 
Entre os alvos estavam oficiais e praças da Polícia Militar de Mato Grosso do Sul, incluindo comandantes de unidades em municípios do interior.
 
Mais prisões
A Oiketicus teve mais uma fase no dia 13 de junho, quando oito policiais militares, entre eles um tenente da reserva e sete praças, foram presos.
 
Cinco praças foram presos em cidades do interior do Estado e três na Capital. Todos foram levados para a Corregedoria da PM, onde passaram por procedimentos administrativos e, em seguida, foram levados para o Presídio Militar de Campo Grande. Ao todo 29 policiais militares foram presos durante a deflagração da operação.
 
‘Máfia dos cigarreiros’
 
Em abril deste ano, a Polícia Federal deflagrou uma operação contra o contrabando de cigarros. A ação foi batizada de “Homônimo” e ocorreu nos estados de São Paulo, Paraná, Mato Grosso do Sul e Espírito Santo. Em Mato Grosso do Sul foram cumpridos mandados em Naviraí e Iguatemi.  Foram expedidos pela Justiça 35 mandados de prisão preventiva, dois de prisão temporária, 45 mandados de busca e apreensão, 32 de bloqueios de bens.
 
A investigação teve início em agosto de 2017, e apontou que a quadrilha sonegava mais de R$ 4 milhões em impostos e faturava R$ 2 milhões com a venda da mercadoria ilegal.
 
Em fevereiro deste ano, a PRF (Polícia Rodoviária Federal) apreendeu carga com 700 mil maços de cigarros contrabandeados em Coxim, cidade distante a 260 quilômetros de Campo Grande. A carga foi avaliada em R$ 3,5 milhões. O motorista informou que pegou o carregamento no Paraguai e levaria para a cidade de Goiânia (GO), onde receberia o pagamento pelo transporte.
    
› Deixe sua opinião
Nome  
E-mail  
Mensagem 
 
Digite as duas palavras que você vê abaixo:
 
 
   
Crise levou chefes de família ao desalento’, diz economista
    
   
Lincoln Secco
    
   
    
Publicidade
Hora da Noticia   |   (67) 9924-2726   |   [email protected]   |   Costa Rica - MS