Content on this page requires a newer version of Adobe Flash Player.

Get Adobe Flash player

www.horadanoticia.com.br
Aqui você lê o que acontece de fato
 
    Hora da Notícia (67) 9924-2726    Busca

Content on this page requires a newer version of Adobe Flash Player.

Get Adobe Flash player

   Primeira Página
   Notícias
      › Brasil
      › Alcinópolis
      › Camapuã
      › Chapadão do Sul
      › Costa Rica
      › Figueirão
      › Paraíso das Águas
   Guia de Negócios
   Agenda de Eventos
   Colunistas
   Galeria de Fotos
   Aniversariantes
   Notas Breves
   Charges
   Entrevistas
   Quem Somos
   Expediente
   Anuncie Aqui!
   Fale Conosco
  Informativo
  Cotações
Notícias
Busca 
Política
11/07/2018 - 07:42
MPF reage à campanha antecipada e pede multa de R$ 25 mil a pré-candidato
Foto: Saul Schram
CGrandenews
O MPF (Ministério Público Federal) ajuizou representação eleitoral com pedido de liminar contra o pré-candidato ao Senado Francisco José Albuquerque Maia Costa, o Chico Maia (Podemos). A Procuradoria Regional Eleitoral considera propaganda eleitoral antecipada a instalação de outdoors com a imagem dele em Campo Grande e no interior.
 
A ação é a primeira, pelo menos que teve divulgação, contra o abuso de candidatos antes do início oficial da campanha eleitoral, que só começa no dia 16 de agosto.
 
A representação descreve a existência de três peças publicitárias diferentes. Uma delas traz a imagem de Maia ao lado do pré-candidato à Presidência da República Álvaro Dias (Podemos), acompanhada do texto “Alvaro Dias & Chico Maia. Coragem para mudar! 19 de março – 19h – Campo Grande”.
 
Há também outdoors com a imagem do pré-candidato e o texto “Chico Maia. Palestra. O setor produtivo e o mecanismo. Ligue e agende: 67 3305 6347”.
 
Por fim, há propagandas jingle utilizado por Chico Maia em campanhas anteriores “Maia Aqui Maia Acolá”.
 
Para o MPF, “aquilo que é vedado pela Lei das Eleições durante o período oficial de campanha, por idêntica razão é vedado na pré-campanha”. “O art. 39, § 8º, da Lei das Eleições estabelece que é vedada a propaganda eleitoral mediante outdoors, inclusive eletrônicos”, completa a nota da procuradoria.
 
Gasto – Conforme divulgou o MPF, a empresa responsável pela veiculação dos outdoors, Zoom Publicidade (Central Paineis Ltda – EPP), disponibilizou à procuradoria as notas fiscais referentes à divulgação das três peças publicitárias. Somadas, as três campanhas teriam custado R$ 47,4 mil, com a divulgação de 96 outdoors, sendo 70 em Campo Grande e 26 no interior.
 
Os paineis divulgados na Capital teriam custado em média R$ 600, enquanto os divulgados no interior R$ 200.
 
O MPF destaca, entretanto, que o pré-candidato é o administrador da agência que veiculou os outdoors.
 
Consta na representação que “a Zoom Publicidade, por seu sócio-administrador Pedro Rezende Maia da Costa (filho do representado com Rosane Mara de Rezende Maia Costa), outorgou-lhe amplos poderes para agir em seu nome, ‘gerir e administrar todos os negócios, direitos e interesses’”.
 
A procuradoria fez pesquisa por serviços semelhantes e constatou que a veiculação em painel do tipo custaria pelo menos R$ 2 mil por duas semanas. “Logo, o valor da divulgação de 96 outdoors pode chegar a até R$ 192 mil”, completa a nota divulgada pelo Ministério Público Federal.
 
“Houve gastos significativos feitos pelo pretenso candidato na pré-campanha. Neste quesito, o MPF lembra que a minirreforma eleitoral, de 2015, teve o escopo declarado em sua ementa de reduzir os custos das campanhas eleitorais, inclusive reduzindo o período de campanha para aproximadamente 45 dias. Assim, seria um contrassenso e feriria o critério teleológico de interpretação permitir gastos, sem controle ou limitação, na fase de pré-campanha”, argumenta o órgão ministerial.
 
Pedidos - A Procuradoria Regional Eleitoral requer a retirada dos outdoors no prazo de 48 horas, sob pena de multa diária de R$ 1 mil por outdoor em caso de descumprimento, além da condenação de Maia ao pagamento de multa de R$ 25 mil por outdoor divulgado.
 
Outro lado – Maia diz estar tranquilo e que foi orientado juridicamente e pelo partido antes de divulgar os outdoors. “Eu não infringi nenhuma norma legal”, garante.
 
O pré-candidato ao Senado explica que o outdoor com Álvaro Dias apenas convoca para evento partidário, o segundo citado pelo MPF divulga a palestra que ele ministra como “cidadão comum” e que o terceiro se trata de divulgação de página na internet para arrecadar recursos para a campanha, três situações permitidas pela legislação eleitoral.
 
“Fiz tudo com recursos próprios, minhas economias e tudo declarados”, completou.
    
› Deixe sua opinião
Nome  
E-mail  
Mensagem 
 
Digite as duas palavras que você vê abaixo:
 
 
   
Crise levou chefes de família ao desalento’, diz economista
    
   
Lincoln Secco
    
   
    
Publicidade
Hora da Noticia   |   (67) 9924-2726   |   [email protected]   |   Costa Rica - MS