www.horadanoticia.com.br
Aqui você lê o que acontece de fato
 
    Hora da Notícia (67) 9924-2726    Busca

Content on this page requires a newer version of Adobe Flash Player.

Get Adobe Flash player

   Primeira Página
   Notícias
      › Brasil
      › Alcinópolis
      › Camapuã
      › Chapadão do Sul
      › Costa Rica
      › Figueirão
      › Paraíso das Águas
   Guia de Negócios
   Agenda de Eventos
   Colunistas
   Galeria de Fotos
   Aniversariantes
   Notas Breves
   Charges
   Entrevistas
   Quem Somos
   Expediente
   Anuncie Aqui!
   Fale Conosco
  Informativo
  Cotações
Notícias
Busca 
Política
11/07/2018 - 07:52
Para reduzir imposto do diesel, Reinaldo aumenta sobre a gasolina, que já acumula alta de 26%
Foto: Reprodução
O Jacaré
Para cumprir promessa de campanha, de reduzir a alíquota do ICMS sobre o óleo diesel de 17% para 12%, o governador Reinaldo Azambuja (PSDB) elevou a tributação da gasolina, usada pela maior parte da população. Em um ano, o litro da gasolina já acumula alta de 25,26% e caminha para superar R$ 5 em Mato Grosso do Sul. Na Capital, o combustível está 26,6% mais caro.
 
O tucano não é o único governador a compensar a perda com o diesel com o aumento sobre a gasolina. Conforme o jornal Folha de São Paulo, esta estratégia foi adotada por 13 dos 15 estados que reduziram a incidência do ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços).
 
A paralisação dos caminhoneiros, que durou 10 dias, forçou Reinaldo a cumprir a promessa feita em 2014, quando prometeu reduzir a alíquota do imposto sobre o diesel de 17% para 12%. Além disso, o Governo estadual diminuiu o preço referencial para calcular o tributo sobre o combustível.
 
Graças ao cumprimento da promessa do governador, o óleo diesel teve queda de 9,55% no Estado, conforme levantamento do Confaz (Conselho Nacional de Política Fazendária). Nas últimas quatro semanas, o valor médio oscilou de R$ 3,599 para R$ 3,505, com base em levantamento da ANP (Agência Nacional de Petróleo).
 
Por outro lado, para não perder receita, Reinaldo elevou 5,71% o PMPF (Preço Médio Ponderado Final), usado para calcular o ICMS sobre o produto. Na prática, o valor recolhido a título de ICMS será maior.
 
Os donos de postos devem passar o aumento ao consumidor final. Por enquanto, de acordo com a ANP, o preço médio da gasolina acumula aumento de 25,26% no Estado, de R$ 3,475 para R$ 4,353.
 
A situação só não é pior porque concorrência acirrada entre os postos reduziu o produto no último mês, já que chegou a custar R$ 4,408 após a greve dos caminhoneiros. O maior valor cobrado pela gasolina teve aumento de 20,9%, de R$ 4,05 para R$ 4,899.
 
Em Campo Grande, o valor do litro da gasolina teve aumento de 26,6%, de R$ 3,369 para R$ 4,266. O campo-grandense encontrava o combustível por até R$ 2,979 em julho do ano passado. Agora, o menor preço é de R$ 4,15, 39,3% mais caro.
 
Governador cumpriu promessa ao reduzir o diesel após paralisação dos caminhoneiros. No entanto, para compensar redução, elevou a tributação sobre a gasolina.
 
Além do aumento na tributação por parte do Governo estadual, outros dois fatores devem encarecer a gasolina no Estado. O primeiro sinal é que o produto subiu nas distribuidoras, de R$ 3,805 para R$ 3,914, conforme a ANP. A mesma pesquisa revela que os postos reduziram a margem de lucro em 30%, de R$ 0,51 para R$ 0,353.
 
Não é a primeira vez que os donos de veículos são penalizados pelo atual governador. Em 2015, em decorrência da crise, ele aumentou o IPVA em 40%, ao elevar a alíquota de 2,5% para 3,5%.
 
Como a eleição acontece daqui três meses, o eleitor vai ter a oportunidade de ratificar ou rejeitar essa política nas urnas.
    
› Deixe sua opinião
Nome  
E-mail  
Mensagem 
 
Digite as duas palavras que você vê abaixo:
 
 
   
Crise levou chefes de família ao desalento’, diz economista
    
   
Lincoln Secco
    
   
    
Publicidade
Hora da Noticia   |   (67) 9924-2726   |   [email protected]   |   Costa Rica - MS