www.horadanoticia.com.br
Aqui você lê o que acontece de fato
 
    Hora da Notícia (67) 9924-2726    Busca

Content on this page requires a newer version of Adobe Flash Player.

Get Adobe Flash player

   Primeira Página
   Notícias
      › Brasil
      › Alcinópolis
      › Camapuã
      › Chapadão do Sul
      › Costa Rica
      › Figueirão
      › Paraíso das Águas
   Guia de Negócios
   Agenda de Eventos
   Colunistas
   Galeria de Fotos
   Aniversariantes
   Notas Breves
   Charges
   Entrevistas
   Quem Somos
   Expediente
   Anuncie Aqui!
   Fale Conosco
  Informativo
  Cotações
Notícias
Busca 
Geral
12/07/2018 - 07:53
Cartórios querem revisão dos valores cobrados pelos serviços em MS
Foto: Wagner Guimarães/ALMS
CGrandenews
Representantes dos cartorários querem diminuir o repasse para os fundos do Tribunal de Justiça, Ministério Público, Procuradoria-Geral do Estado e Defensoria Pública. De acordo com a Anoreg-MS (Associação dos Notários e Registradores de MS), 35% da arrecadação dos cartórios seguem para estes fundos, o que provoca a queda do número de serviços, devido ao valor cobrado.
 
A discussão é sobre a redução nos valores dos serviços nos cartórios, que segundo os representantes, ficam mais caros do que outros estados, por causa das taxas incluídas, para que haja financiamento destes fundos. Um projeto que modifica toda esta cobrança está na Assembleia, à espera da análise e votação dos deputados, desde o começo do ano.
 
 
Foi realizada reunião ontem (11) no legislativo, justamente para se discutir esta questão e procurar uma solução para os preços cobrados nos cartórios. “Creio que é uma discussão que deve ser feita da maneira correta, apresentando ao Tribunal de Justiça os dados atualizados de quantas escrituras temos deixado de lavrar em Mato Grosso do Sul”, disse Junior Mochi (MDB).
 
Valdenir Machado, que estava representando os cartorários, ponderou que a maioria dos documentos estão sendo levados aos estados vizinho, como São Paulo e Paraná, porque os valores cobrados nestes cartórios são mais baratos. "É triste admitir, mas o serviço notarial está sendo inviabilizado em razão desses percentuais. Estamos sendo prejudicados pela alta carga tributária”.
 
O deputado José Carlos Barbosa (DEM), presidente da CCJR (Comissão de Constituição, Justiça e Redação), disse que é preciso fazer uma discussão entre os representantes do setor, sociedade civil e os poderes para se chegar a um acordo sobre as cobranças. Mochi tinha declarado anteriormente que deixaria o assunto para depois da eleição.
    
› Deixe sua opinião
Nome  
E-mail  
Mensagem 
 
Digite as duas palavras que você vê abaixo:
 
 
   
A irmandade dos falsos cegos
    
   
Lincoln Secco
    
   
    
Publicidade
Hora da Noticia   |   (67) 9924-2726   |   [email protected]   |   Costa Rica - MS