Content on this page requires a newer version of Adobe Flash Player.

Get Adobe Flash player

www.horadanoticia.com.br
Aqui você lê o que acontece de fato
 
    Hora da Notícia (67) 9924-2726    Busca

Content on this page requires a newer version of Adobe Flash Player.

Get Adobe Flash player

   Primeira Página
   Notícias
      › Brasil
      › Alcinópolis
      › Camapuã
      › Chapadão do Sul
      › Costa Rica
      › Figueirão
      › Paraíso das Águas
   Guia de Negócios
   Agenda de Eventos
   Colunistas
   Galeria de Fotos
   Aniversariantes
   Notas Breves
   Charges
   Entrevistas
   Quem Somos
   Expediente
   Anuncie Aqui!
   Fale Conosco
  Informativo
  Cotações
Notícias
Busca 
Política
14/10/2018 - 10:00
Apoio maciço de prefeitos não garantiu a vitória de Azambuja no 1º turno
Foto: Reprodução
Correio do Estado
A força dos aliados não assegurou a vitória do governador Reinaldo Azambuja (PSDB) no primeiro turno. Nem o apoio de 52 dos 79 prefeitos de Mato Grosso do Sul resultou votos suficientes para a vitória do governador no domingo (7) passado.
 
Nos maiores municípios, Azambuja perdeu para o juiz federal aposentado Odilon de Oliveira (PDT) em Dourados e Três Lagoas - segundo e terceiro maior colégio eleitoral do Estado.
 
Em Dourados com 155.751 eleitores, o governador contava como vice o ex-prefeito da cidade Murilo Zauith (DEM). A presença de Murilo na chapa seria, em tese, para reforçar o número de votos nas urnas e garantir a vitória. Mas quem levou vantagem nessa disputa de vice da região foi o bispo Marcos Vítor (PRB) - vice de Odilon. 
 
Ele levou o juiz aposentando Odilon de Oliveira à vitória, mesmo apertada, por 45.364 (42,79%) a 42.882 (40,36%) votos. A vantagem de 2.482 votos, considerada pequena, ajuda a fazer diferença na contagem final em favor do juiz passar ao segundo turno das eleições.
 
Azambuja perdeu, ainda, em Três Lagoas com 76.967 eleitores, terceiro maior colégio do Estado. Lá o apoio do prefeito Ângelo Guerreiro (PSDB) não ajudou em nada o governador. A derrota foi devastadora. O juiz recebeu 23.947 (52,42%) contra 13.539 (29,64%). A diferença foi de 10.408 votos. 
 
Em Paranaíba com 30.653 eleitores, o peso dos aliados não surtiu efeito, porque Odilon bateu Azambuja por 8.609 (46,84%) a 5.869 (31,93%). A vantagem do juiz foi de 2.740 votos.
 
Conforme a edição do Correio do Estado do dia 9 de setembro, os tucanos tinham mais prefeitos declarando apoio a reeleição de Azambuja, porém em quatro cidades onde o partido comanda o Executivo, a vitória foi do Juiz Odilon e o deputado e candidato pelo MDB, Junior Mochi.  
 
Em Camapuã e Pedro Gomes, os eleitores preferiram o nome do MDB. Mochi teve 3.043 (40,52%) e 1.448 (36,90%), respectivamente. Já nos municípios de Paranaíba e Três Lagoas, Odilon foi o escolhido. 
 
Concorrendo ao primeiro cargo eletivo, Odilon também teve dificuldades em conseguir o apoio dos prefeitos da sua agremiação. Com apenas dois em Mato Grosso do Sul,  o PDT não recebeu ajuda dos administradores de Água Clara e de Novo Horizonte do Sul. Sendo que o primeiro declarou apoio ao deputado Junior Mochi.  “Na época que o André Puccinelli foi candidato ele fez muito por Água Clara. Ele não é nosso candidato, mas essa é minha forma de retribuir”, destacou à epoca para o Correio do Estado o prefeito Edvaldo Queiroz. 
 
Quando o Correio do Estado fez o levantamento dos prefeitos, nenhum declarou apoio ao Juiz Odilon. Mochi tinha onze ao seu lado. 
 
    
› Deixe sua opinião
Nome  
E-mail  
Mensagem 
 
Digite as duas palavras que você vê abaixo:
 
 
   
A irmandade dos falsos cegos
    
   
Por Benedicto Ismael Camargo Dutra

    
   
    
Publicidade
Hora da Noticia   |   (67) 9924-2726   |   [email protected]   |   Costa Rica - MS