www.horadanoticia.com.br
Aqui você lê o que acontece de fato
 
    Hora da Notícia (67) 9924-2726    Busca

Content on this page requires a newer version of Adobe Flash Player.

Get Adobe Flash player

   Primeira Página
   Notícias
      › Brasil
      › Alcinópolis
      › Camapuã
      › Chapadão do Sul
      › Costa Rica
      › Figueirão
      › Paraíso das Águas
   Guia de Negócios
   Agenda de Eventos
   Colunistas
   Galeria de Fotos
   Aniversariantes
   Notas Breves
   Charges
   Entrevistas
   Quem Somos
   Expediente
   Anuncie Aqui!
   Fale Conosco
  Informativo
  Cotações
Notícias
Busca 
Política
28/11/2018 - 16:38
Governo federal suspende R$ 77 milhões para a saúde mental e afeta 319 unidades de atendimento
Foto: Hora da Notícia
Hora da Notícia
Foi absolvido nesta quarta feira (28) o réu, Rivadavio Pereira dos Santos, conhecido pelo apelido de “Baiano”, 62 anos denunciado pelo Ministério Público Estadual pelos crimes de homicídio e ocultação de cadáver. Ele foi acusado de matar a paulada o idoso Waldemar Souza Neto, a época com 78 anos. O jovem advogado, Ramiro Piergentile Neto defendeu o réu no Tribunal do Júri depois de estudar o processo ele desqualificou todas as acusações impostas pelo representante do Ministério Público, o promotor de justiça George Cassio Tiosso Abbud. O advogado foi minucioso demonstrando ás falhas processuais e a falta de consistência na denuncia. Ele trabalhou de forma didática e prendeu a atenção dos jurados.
 
O réu Rivadavio não ocupou a cadeira destinada a ele no Tribunal uma vez que não foi encontrado pela justiça.  
 
O promotor durante cerca de uma hora e meia, pontuou os motivos pelos quais o réu deveria ser condenado de acordo com a denúncia apresentada. Ele não fez uso da réplica a que tinha direito e por consequência não houve oportunidade para tréplica do advogado.
 
Durante uma hora e meia o advogado muito bem articulado trabalhou nas falas processuais e na ausência de provas da materialidade da autoria do crime imputado pela acusação e sustentou a absolvição do réu pela ausência de provas.
 
Concluído o trabalho da acusação e da defesa o juiz Francisco Sollimann presidente do júri reuniu com o conselho de sentença que decidiu: “pela absolvição do réu acolhendo a tese de ausência de prova da materialidade”.
 
Escreveu o magistrado na sentença:
 
Decido: “reunido em sala secreta, nos quesitos referentes ao homicídio consumado e à ocultação de cadáver perpetrado contra a vítima Waldemar Souza Neto, o Conselho de Sentença absolveu o réu Rivadavio Pereira dos Santos da acusação descrita na denúncia, acolhendo a tese de ausência de prova da materialidade, visto que, por maioria, respondeu NÃO ao primeiro quesito formou lado, em ambas as séries, no questionário submetido à votação”.
 
“ISSO POSTO, em face da decisão soberana dos Senhores Jurados, julgo improcedente o pedido formulado na denúncia, e o faço para ABSOLVER o réu Rivadavio Pereira dos Santos [brasileiro, solteiro, serviços gerais, natural de Itinga/MG, nascido em 20/06/1956, RG n. 001.214.003 SSP/MS, CPF n. 704.048.011-53”.
 
O advogado Ramiro Piergentile, em seu primeiro júri na sua terra natal disse ao Hora da Notícia, “estou satisfeito com o resultado, é a sensação de um dever cumprido, um trabalhador que esperou quatro anos para poder provar sua inocência”.
 
Ele expôs os diversos erros encontrados durante a fase do inquérito policial, como por exemplo, o réu foi preso no dia 10 de novembro de 2014, porém sua prisão só teve mandado expedido pelo judiciário no dia 11, sendo comunicada apenas no dia 12, ou seja, Rivadavio poderia estar até mais tempo preso do que se pode imaginar o que fere gravemente a Constituição Federal, afirmou.
 
Disse ainda: “os laudos informavam que a morte se deu de modo natural, existiram outras pessoas no local, a historia era muito nebulosa, mas graças a Deus a verdade veio à tona, e essa absolvição prova que a aplicação errada da lei pode causar injustiças, não se pode tolerar exageros”.
 
Rivadavio era uma minoria, foi preciso ter coragem para enfrentar todo o sistema, mas enfim, agora é continuar trabalhando na certeza que o Justo confia em Deus, finalizou o advogado.
 
Três homens e quatro mulheres foram escolhidos entre os vinte e um para compor o conselho de sentença.
 
A sessão do júri foi acompanhada por profissionais do direito.
 
 


É permitida a reprodução do conteúdo desta página desde que seja citada a fonte, Hora da Notícia. Todos os direitos reservados.
    
› Deixe sua opinião
Nome  
E-mail  
Mensagem 
 
Digite as duas palavras que você vê abaixo:
 
 
   
A rebelião dos juízes
    
   
Por Gerson Camarotti
    
   
    
Publicidade
Hora da Noticia   |   (67) 9924-2726   |   [email protected]   |   Costa Rica - MS