Content on this page requires a newer version of Adobe Flash Player.

Get Adobe Flash player

www.horadanoticia.com.br
Aqui você lê o que acontece de fato
 
    Hora da Notícia (67) 9924-2726    Busca

Content on this page requires a newer version of Adobe Flash Player.

Get Adobe Flash player

   Primeira Página
   Notícias
      › Brasil
      › Alcinópolis
      › Camapuã
      › Chapadão do Sul
      › Costa Rica
      › Figueirão
      › Paraíso das Águas
   Guia de Negócios
   Agenda de Eventos
   Colunistas
   Galeria de Fotos
   Aniversariantes
   Notas Breves
   Charges
   Entrevistas
   Quem Somos
   Expediente
   Anuncie Aqui!
   Fale Conosco
  Informativo
  Cotações
Notícias
Busca 
Política
11/01/2019 - 13:57
Azambuja confirma: governo vai implantar Plano de Demissão Voluntária
Foto: Wesley Ortiz/Arquivo
Top Midia News
O governador de Mato Grosso do Sul, Reinaldo Azambuja (PSDB), confirmou a informação divulgada oito dias atrás pelo TopMídiaNews, indicando que em seu segundo mandato iria por em prática o PDV (Plano de Demissão Voluntária).
 
A intenção do governo é reduzir o custo da folha de pagamento dos 75 mil servidores, que consome, em média, meio bilhão de reais. Hoje, o salário do funcionalismo estadual atingiu o limite permitido pela LRF (Lei de Responsabilidade Fiscal). Se o gasto extrapolar o custo, o Estado corre o risco de perder o direito aos repasses federais e ainda não pode mais contratar, ou seja, promover concursos públicos.
 
O programa de demissão já é estudado pela equipe econômica de Azambuja desde dezembro passado, porém, o assunto era tratado com reservas. Pelos cálculos do governo, o PDV deve ser viabilizado a partir de fevereiro.
 
O PDV, plano posto em prática tanto por empresas privadas quanto setores do poder público a partir dos anos 1990, é o meio mais curto para reduzir o quadro de funcionários e pode gerar ganhos dos dois lados.
 
Por regra, o empregado não pode ser forçado a ingressar no plano e, se optar pela demissão espontânea a ele é garantido todos os direitos trabalhistas.
 
O governo estadual atacou primeiro a o setor dos servidores comissionados, normalmente aqueles que conquistaram cargos sem a exigência do concurso público. 
 
No entanto, a proposta não descarta a possibilidade de o PDV também alcançar os concursados. 
 
Nos primeiros dias deste ano, ao menos 1,9 mil servidores que ocupam posições de confiança foram exonerados e, pelo conversado até agora, 30% deste contingente não deve mais retornar para o governo.
 
O governo ainda não divulgou dados sobre a expectativa de sucesso com o PDV, como o número de demitidos e quanto, em dinheiro, o Estado economizaria.
    
› Deixe sua opinião
Nome  
E-mail  
Mensagem 
 
Digite as duas palavras que você vê abaixo:
 
 
   
A rebelião dos juízes
    
   
Por Gerson Camarotti
    
   
    
Publicidade
Hora da Noticia   |   (67) 9924-2726   |   [email protected]   |   Costa Rica - MS