www.horadanoticia.com.br
Aqui você lê o que acontece de fato
 
    Hora da Notícia (67) 9924-2726    Busca
   Primeira Página
   Notícias
      › Brasil
      › Alcinópolis
      › Camapuã
      › Chapadão do Sul
      › Costa Rica
      › Figueirão
      › Paraíso das Águas
   Guia de Negócios
   Agenda de Eventos
   Colunistas
   Galeria de Fotos
   Aniversariantes
   Notas Breves
   Charges
   Entrevistas
   Quem Somos
   Expediente
   Anuncie Aqui!
   Fale Conosco
  Informativo
  Cotações
Notícias
Busca 
Polícia
12/03/2019 - 07:56
Prisão de PMs suspeitos da morte de Marielle é golpe em Bolsonaro
Catraca Livre
Não há nenhum sinal – nem mais remoto – de que a família Bolsonaro tenha qualquer envolvimento com a morte da vereadora Marielle Franco.
Mas há fartas ligações da família com as milícias.
 
Não apenas em discursos. Mas também empregos.
 
Mãe e mulher de um chefe das milícias foragido – Adriano Nóbrega – estavam empregadas no gabinete de Flávio Bolsonaro.
 
A prisão hoje dos policiais atinge a família Bolsonaro, por mostrar a ligação de PMs, associados a milícias, com o assassinato de Marielle Franco e de seu motorista Anderson Gomes.
 
A prisão hoje dos policiais atinge a família Bolsonaro, por mostrar a ligação de PMs, associados a milícias, com o assassinato de Marielle Franco e de seu motorista Anderson Gomes.
A Delegacia de Homicídios (DH) da Capita prendeu o sargento reformado da Polícia Militar Ronnie Lessa, de 48 anos, e p ex-PM, Elcio Vieira de Queiroz, por envolvimento no assassinato da vereadora Marielle Franco (PSOL) e do motorista Anderson Gomes.
A prisão foi determinada pelo juiz-substituto do 4º Tribunal do Júri Guilherme Schilling Pollo Duarte, após denúncia do Grupo de Atuação Especial de Repressão ao Crime Organizado (Gaeco) do MPRJ.
 
Trecho da notícia do O Globo:
 
Segundo a denúncia das promotoras Simone Sibilio e Leticia Emile, o crime foi “meticulosamente” planejado três meses antes do atentado. Além das prisões, a operação realiza mandados de busca e apreensão nos endereços dos denunciados para apreender documentos, telefones celulares, notebooks, computadores, armas, acessórios, munições e outros objetos. Lessa e Elcio foram denunciados pelo assassinato e a tentativa de homicídio de Fernanda Chaves, assessora da vereadora que sobreviveu ao ataque. A ação foi batizada de Operação Buraco do Lume, referência ao local no Centro de mesmo nome, na Rua São José, onde Marielle prestava contas à população sobre medidas tomadas em seu mandato. Ali ela desenvolvia também o projeto Lume Feminista. Os denunciados foram presos às 4h desta madrugada.
 
As promotoras pedem ainda a suspensão da remuneração e do porte de arma de fogo de Lessa. Também foi requerida a indenização por danos morais aos familiares das vítimas e a fixação de pensão em favor do filho menor do motorista Anderson até completar 24 anos de idade. Em certo trecho da denúncia, elas ressaltaram: “É inconteste que Marielle Francisco da Silva foi sumariamente executada em razão da atuação política na defesa das causas que defendia. A barbárie praticada na noite de 14 de março de 2018 foi um golpe ao Estado Democrático de Direito”.
 
A Folha trouxe um exemplo ao mostrar graficamente as relações da família Bolsonaro, milícias e Marielle Franco.

 

    
› Deixe sua opinião
Nome  
E-mail  
Mensagem 
 
Digite as duas palavras que você vê abaixo:
 
 

Content on this page requires a newer version of Adobe Flash Player.

Get Adobe Flash player



   
O regime de capitalização
    
   
Daud
    
   
    
Publicidade
Hora da Noticia   |   (67) 9924-2726   |   [email protected]   |   Costa Rica - MS