www.horadanoticia.com.br
Aqui você lê o que acontece de fato
 
    Hora da Notícia (67) 9924-2726    Busca
   Primeira Página
   Notícias
      › Brasil
      › Alcinópolis
      › Camapuã
      › Chapadão do Sul
      › Costa Rica
      › Figueirão
      › Paraíso das Águas
   Guia de Negócios
   Agenda de Eventos
   Colunistas
   Galeria de Fotos
   Aniversariantes
   Notas Breves
   Charges
   Entrevistas
   Quem Somos
   Expediente
   Anuncie Aqui!
   Fale Conosco
  Informativo
  Cotações
Notícias
Busca 
Geral
13/08/2019 - 07:55
MP defende manutenção de expediente de 8h para 16 mil servidores de MS
Foto: Reprodução
Campo Grande News
Se depender do MP-MS (Ministério de Mato Grosso do Sul), o expediente vai continuar em 8 horas diárias para um grupo de 16 mil servidores estaduais que faziam jornada de 6 horas até o dia primeiro de julho deste ano, quando começou a valer decreto mudando a regra. Em parecer anexado a processo movido por sete sindicatos contra a medida, o procurador-chefe adjunto do MP, Humberto de Matos Brites, manifesta-se a favor da manutenção do decreto, editado em março deste ano.
 
A medida entrou em vigor no mês passado e chegou a ser derrubada, por liminar concedida aos sindicatos pelo desembargador Ruy Celso Florence. A decisão provisória caiu antes de ser cumprida, três dias depois.
 
A partir disso, segundo as regras processuais, as partes se manifestaram, para que haja o julgamento definitivo do mandado de segurança. Depois, vêm o julgamento do mérito em si, ou seja, a validade ou não do decreto. Para o procurador, a ação deve ser extinta.
 
“A segurança deve ser denegada tendo em conta, reitere-se, a inexistência de direito líquido e certo dos indivíduos refletidos pelos impetrantes de manutenção à respectiva carga horária funcional com caráter reduzido”, afirma o texto do MP-MS. A argumentação defendida na peça é que não há “injuricidade” na decisão do governo, que apenas cumpriu previsão do Estatuto do Servidor, de 1990. Segundo o procurador, o decreto estadual de n.º 15.192/2019, implica em “mera retomada de condições funcionais definidas pregressamente via princípio democrático (Leis Estaduais de número 1.102/90 e 2.065/1999)”.
Argumento acatado - O texto cita, e apoia, informações levadas pela Procuradoria Geral do Estado ao processo. “A maioria dos servidores estaduais implicados, cerca de 67,5% da categoria, já estaria a cumprir jornada normal de trabalho, por pertencerem a expressivas carreiras públicas, áreas de segurança, educação e saúde”, escreve o membro do MP-MS.
 
“Dos 16.059 servidores que remanesceriam em labor com carga horária reduzida (06h/Dia), cerca de 2.000 não sofreriam mudança na rotina de trabalho pela superveniência da novel normativa, visto que, ligados a carreiras com falta de efetivo, já viriam cumprindo jornada em escala de serviço”, completa.
 
Outro dado citado, conforme o posicionamento apresentado pelo governo, é que em tempos de contingenciamento financeiro e preocupações governamentais “deveras justificadas” pelo atingimento estadual do limite prudencial de gastos com pessoal, a medida de alteração horária “dá mostras de seu valor social”. As alterações, apontam cálculos da administração estadual, equivalem a suplementação de de 32 mil horas de trabalho funcional. Se o expediente de 6h fosse mantido, seriam necessários em torno de 4 mil novos servidores, calcula o governo.
 
Sobre a reclamação dos servidores de que a carga horária foi ampliada mas não houve ampliação do salário, tampouco concessão do auxílio-alimentação, a manifestação do MP acata o argumento do Estado de que não prova no sentido de que direito adquirido a esse benefício. Ainda assim, o procurador defende que o benefício possa ser adotado e considera que é razoável que o seja.
 
E agora ? – Faltava o parecer do MP-MS para o desembargador decidir se o mandado de segurança vai ser concedido e se o mérito da ação será julgado ou se o processo será extinto, como defendem o procurador e a Procuradoria Geral do Estado.
 
Há, ainda, um segundo processo sobre o expediente dos servidores em tramitação. É um recurso movido pela PGE, para suspender o mandado de segurança, que foi concedido pelo presidente do TJ , Paschoal Carmelo Leandro. Neste caso, o julgamento definitivo está previsto para 21 de agosto.
 
    
› Deixe sua opinião
Nome  
E-mail  
Mensagem 
 
Digite as duas palavras que você vê abaixo:
 
 
   
Previdência: reforma corta pensão por morte pela metade e prejudica os cônjuges
    
   
Reforma da Previdência:
    
   
    
   
Lorival Marcolino Claro

Dessa vez sem fogos, mas por uma boa causa, pois o dinheiro desses fogos será revertido a um ...

    
Publicidade
Hora da Noticia   |   (67) 9924-2726   |   [email protected]   |   Costa Rica - MS