www.horadanoticia.com.br
Aqui você lê o que acontece de fato
 
    Hora da Notícia (67) 9924-2726    Busca
   Primeira Página
   Notícias
      › Brasil
      › Alcinópolis
      › Camapuã
      › Chapadão do Sul
      › Costa Rica
      › Figueirão
      › Paraíso das Águas
   Guia de Negócios
   Agenda de Eventos
   Colunistas
   Galeria de Fotos
   Aniversariantes
   Notas Breves
   Charges
   Entrevistas
   Quem Somos
   Expediente
   Anuncie Aqui!
   Fale Conosco
  Informativo
  Cotações
Notícias
Busca 
Polícia
06/09/2019 - 07:48
Moro e Lava Jato tentaram desprezar lista tríplice e se deram mal
Foto: Reprodução
O ministro da Justiça, Sérgio Moro, e integrantes da Lava Jato tentaram indicar para a chefia da PGR (Procuradoria-Geral da República) um nome fora lista tríplice e se deram mal. Deltan Dallagnol era a aposta. O próprio presidente Jair Bolsonaro confirmou que ouviu sugestão para indicá-lo, mas o julgou um xiita ambiental.
 
Apesar de negar publicamente, Moro foi quem interveio nos bastidores a favor de Dallagnol e ouviu a negativa. O ministro da Justiça deu corda à quebra da tradição de indicar um nome da lista tríplice da eleição interna da ANPR (Associação Nacional dos Procuradores da República).
 
Quando o presidente descartou Dallagnol, houve um movimento de Moro para conter prejuízos e apoiar um nome da lista tríplice. Mas Augusto Aras e Raquel Dodge já haviam avançado no campo de batalha.
 
Dodge teve apoio dos presidentes do STF, Dias Toffoli, da Câmara, Rodrigo Maia, e do Senado, Davi Alcolumbre. Mas Bolsonaro descartou Dodge por ela ser mulher e ter denunciado Eduardo Bolsonaro por suposta ameaça a uma jornalista que o deputado federal teria namorado.
 
Bolsonaro firmou um compromisso político com Augusto Aras, que cedeu às bandeiras do presidente. Parlamentares conservadores também apoiaram Aras nos bastidores. O blog noticiou que, na reta final, ele recuperara o favoritismo.
 
Hoje, estrelas da Lava Jato e procuradores da República choram em praça pública o desprezo de Bolsonaro pela lista tríplice da ANPR, mas cometeram o erro de tentar controlar o presidente da República, que exerceu seu direito constitucional, aparelhou a PGR e quebrou uma tradição iniciada no governo Lula em 2003.
 
A Lava Jato, Moro, Dodge, ANPR e Dallagnol perderam com a indicação de Aras para a PGR. Bolsonaro ganhou ao indicar um nome de sua confiança para o cargo que pode investigar e denunciar o primeiro mandatário do país. Esses são os fatos.
Blogdokennedy
    
› Deixe sua opinião
Nome  
E-mail  
Mensagem 
 
Digite as duas palavras que você vê abaixo:
 
 
   
Previdência: reforma corta pensão por morte pela metade e prejudica os cônjuges
    
   
Reforma da Previdência:
    
   
    
Publicidade
Hora da Noticia   |   (67) 9924-2726   |   [email protected]   |   Costa Rica - MS