www.horadanoticia.com.br
Aqui você lê o que acontece de fato
 
    Hora da Notícia (67) 9924-2726    Busca
   Primeira Página
   Notícias
      › Brasil
      › Alcinópolis
      › Camapuã
      › Chapadão do Sul
      › Costa Rica
      › Figueirão
      › Paraíso das Águas
   Guia de Negócios
   Agenda de Eventos
   Colunistas
   Galeria de Fotos
   Aniversariantes
   Notas Breves
   Charges
   Entrevistas
   Quem Somos
   Expediente
   Anuncie Aqui!
   Fale Conosco
  Informativo
  Cotações
Notícias
Busca 
Polícia
29/10/2019 - 10:30
Jamil Name Filho é transferido para Mossoró durante a madrugada
Campo Grande News
Preso pela Operação Omertà desde o dia 27 de setembro, Jamil Name Filho, conhecido como Jamilzinho, de 42 anos, foi transferido na madrugada desta terça-feira (29) para o Presídio Federal de Mossoró, no Rio Grande do Norte. Ele estava na unidade do Depen (Departamento Penitenciário Nacional) em Campo Grande.
 
Os pedidos de inclusão de alguns dos presos da Omertà no sistema carcerário federal foram feitos pela Garras (Delegacia de Repressão a Roubo a Banco, Assaltos e Sequestros) e também pelo Gaeco (Grupo de Atuação Especial e Combate ao Crime Organizado), que se uniram em força-tarefa que acusa Jamilzinho e o pai, Jamil Name, de 80 anos, de chefiaram milícia armada em Campo Grande.
 
A autorização veio do juiz Mário José Esbalqueiro Júnior, em substituição legal na 1ª Vara de Execução Penal, no dia 9 deste mês. O Depen indicou a penitenciária de Mossoró como a mais adequada para a custódia.
 
No dia 12, Jamilzinho, Name e os policiais civis Vladenilson Daniel Olmedo e Márcio Cavalcanti da Silva foram levado para o Presídio Federal de Campo Grande. A inclusão foi classificada como emergencial e temporária, ou seja, até que fosse possível levá-los para a unidade do Rio Grande do Norte.
 
O Campo Grande News apurou que Jamil Name só não foi levado porque a aeronave não tinha condições técnicas para transportar o preso de 80 anos. O voo que levou Jamilzinho partiu na madrugada do Aeroporto Internacional de Campo Grande.
 
A reportagem tentou contato com Renê Siufi, advogado do pai de Name Filho, para ter mais detalhes sobre a transferência, mas ele não atendeu às ligações. Depen e Infraero (Empresa Brasileira de Infraestrutura Aeroportuária) também não se manifestaram oficialmente.
 
Transferência – A primeira manifestação pela transferência partiu do delegado João Paulo Sartori, do Garras. A representação cita que além da gravidade dos fatos apurados, grupo de extermínio e milícia armada, a organização criminosa planejava atendado contra o delegado titular do Garras, Fábio Peró.
    
› Deixe sua opinião
Nome  
E-mail  
Mensagem 
 
Digite as duas palavras que você vê abaixo:
 
 


   
Previdência: reforma corta pensão por morte pela metade e prejudica os cônjuges
    
   
Reforma da Previdência:
    
   
    
Publicidade
Hora da Noticia   |   (67) 9924-2726   |   [email protected]   |   Costa Rica - MS