www.horadanoticia.com.br
Aqui você lê o que acontece de fato
 
    Hora da Notícia (67) 9924-2726    Busca
   Primeira Página
   Notícias
      › Brasil
      › Alcinópolis
      › Camapuã
      › Chapadão do Sul
      › Costa Rica
      › Figueirão
      › Paraíso das Águas
   Guia de Negócios
   Agenda de Eventos
   Colunistas
   Galeria de Fotos
   Aniversariantes
   Notas Breves
   Charges
   Entrevistas
   Quem Somos
   Expediente
   Anuncie Aqui!
   Fale Conosco
  Informativo
  Cotações
Notícias
Busca 
Política
03/11/2019 - 19:52
Com HRMS em investigação por mortes, diretor adere ao PDV e novo assume na segunda
Foto: Reprodução
Midiamax
Após a Justiça pedir investigação ao MPMS (Ministério Público de Mato Grosso do Sul) pela responsabilidade sobre a morte de 1.140 pacientes no HRMS (Hospital Regional de Mato Grosso do Sul) entre fevereiro e outubro deste ano, o diretor da unidade, Márcio Eduardo de Souza, concluiu o prazo para se demitir pelo PDV (Plano de Demissão Voluntária) e seguirá para a iniciativa privada. De acordo com o secretário estadual de Saúde, Geraldo Resende, o médico já havia aderido ao PDV (Plano de Demissão Voluntária) e estava apenas cumprindo o tempo até a última quinta-feira (31).
 
O novo diretor nomeado será revelado por publicação do Diário Oficial do Estado nesta segunda-feira (3). Na quarta-feira (5) será realizada uma coletiva para apresentação do responsável pela unidade e também para apresentação de um plano de ação da SES (Secretaria de Estado de Saúde) sobre a média de 4,4 mortes por dia no Hospital.
 
“O diretor cumpriu o prazo do PDV até o último dia. Nós sentimos pela perda de um bom profissional, mas desejamos sucesso”, disse o secretário ao Jornal Midiamax.
 
Mortes e inquérito
 
O Estado de MS destinou no ano passado um total de R$ 354,7 milhões ao Hospital Regional, que corresponde a 23% dos gastos totais com a saúde em MS. O Hospital que recebe a segunda maior demanda do estado está sempre envolvido em problemas, que vão desde a falta de insumos e de profissionais, até a presença de piolho de pombos. A Funsau (Fundação de Serviços de Saúde de Mato Grosso do Sul), que administra o HRMS, informou que do dia 1º de fevereiro a 14 de outubro, foram registrados 1.140 óbitos na instituição.
 
Os dados sobre a morte dos pacientes foram um pedido do juiz David de Oliveira Gomes Filho, da 2ª Vara de Direitos Difusos, Coletivos e Individuais. O juiz afirma que é possível que as pessoas estejam morrendo por causa da ineficiência da administração do HRMS.
 
“Assim, saber o alcance desta situação na vida dos usuários é de suma importância para os posicionamentos futuros do juízo no processamento do feito e para se apurar responsabilidades por omissão no socorro das pessoas”, disse nos autos.
 
Para ter a dimensão sobre o impacto do Hospital sobre a vida (ou morte) dos pacientes, além dados sobre o número de óbitos, o juiz ainda pediu informações sobre quem são as pessoas que vieram a óbito (nomes e idades), qual era o estado de saúde destes pacientes quando procuraram socorro, quanto tempo precisaram aguardar para que o atendimento viesse, qual foi a causa da espera (falta de material de medicamentos, de leitos, de médicos, de enfermeiros, de exames etc).
 
A Funsau só informou o número de mortes e pediu um prazo de 180 dias para ceder as outras informações. Segundo a Fundação, será preciso fazer um mutirão com vários médicos para analisar os prontuários e obter as informações.
 
Em nota, a SES informou que trabalha para melhorar o atendimento prestado no HRMS. Segundo o secretário Geraldo Resende, o número de óbitos está dentro da média histórica dos últimos nove anos, que foi de 1.311 óbitos por ano. “Não detectamos nenhum crescimento desproporcional nestes números”, salienta.
 
O HRMS recebe cerca de 120 mil pacientes por ano. “Os números apresentados à justiça estão dentro da série histórica do hospital. Em 2016 foram registrados 1.491 óbitos, em 2017 foram 1.436 e em 2018 foram 1.419”, explica o secretário, lembrando que nos últimos nove anos foram registradas 11.799 mortes no HRMS.
    
› Deixe sua opinião
Nome  
E-mail  
Mensagem 
 
Digite as duas palavras que você vê abaixo:
 
 


   
Previdência: reforma corta pensão por morte pela metade e prejudica os cônjuges
    
   
Reforma da Previdência:
    
   
    
Publicidade
Hora da Noticia   |   (67) 9924-2726   |   [email protected]   |   Costa Rica - MS