www.horadanoticia.com.br
Aqui você lê o que acontece de fato
 
    Hora da Notícia (67) 9924-2726    Busca
   Primeira Página
   Notícias
      › Brasil
      › Alcinópolis
      › Camapuã
      › Chapadão do Sul
      › Costa Rica
      › Figueirão
      › Paraíso das Águas
   Guia de Negócios
   Agenda de Eventos
   Colunistas
   Galeria de Fotos
   Aniversariantes
   Notas Breves
   Charges
   Entrevistas
   Quem Somos
   Expediente
   Anuncie Aqui!
   Fale Conosco
  Informativo
  Cotações
Notícias
Busca 
Geral
02/12/2019 - 05:44
Alegria durou pouco… desembargadora polêmica suspende redução e pedágio volta a ficar mais caro na 163
Foto: Reprodução
O Jacaré
A polêmica desembargadora Maria do Carmo Cardoso, do Tribunal Regional Federal da 1ª Região, concedeu liminar, na tarde deste sábado (30), e suspendeu a redução de 53,94% no valor do pedágio na BR-163. Sem cumprir o contrato de concessão, a CCR MS Via elevou o valor da tarifa e o preço pago pelo usuário ao longo da rodovia custa entre R$ 5,10 e R$ 7,80.
 
A decisão da magistrada deve causar indignação e consternação no contribuinte sul-mato-grossense. A CCR não cumpriu o contrato de concessão, que previa duplicar 840 quilômetros em cinco anos, e ainda debocha do cidadão ao continuar cobrando valor astronômico pelo pedágio. Desde a época da concessão, a tarifa em MS era a mais alta.
 
A redução de 53,94% no pedágio foi determinada na terça-feira (26) pela diretoria da ANTT (Agência Nacional de Transporte Terrestre). A medida era punição pelo lucro extra de R$ 52 milhões, conforme auditoria do Tribunal de Contas da União, e pelo não cumprimento do contrato para duplicar toda a rodovia.
 
A CCR chegou a cumprir a decisão e reduziu o valor do pedágio para valores que variavam entre R$ 2 e R$ 3,90 para veículos de passeio.
 
Conforme o Campo Grande News, a concessionária protocolou o pedido para suspender a redução às 11h. Menos de três horas depois, às 13h47, a desembargadora Maria do Carmo Cardoso, acatou o pedido da empresa e determinou a suspensão da decisão da ANTT. Na prática, o preço do pedágio dobrou em menos de 12 horas.
 
Apesar de ter acumulado lucros entre 2016 e 2018, a concessionária alegou “gravíssimo desequilíbrio” desde 2015 e que o fato não teria sido apreciado pela ANTT. A perda com a redução seria de R$ 400 mil por dia.
 
Os argumentos “sensibilizaram” a magistrada. Maria do Carmo viu nos documentos apresentados pela MS Via de que havia “desiquilíbrio contratual”. Segundo ela, a Superintendência de Exploração de Infraestrutura Rodoviária apontou necessidade de medidas para compensar a perda de receita com a “Lei dos Caminhoneiros”, que previu isenção para eixo suspenso dos caminhões.
 
Maria do Carmo causou polêmica neste ano ao manter as festividades do golpe de 1964. A desembargadora suspendeu decisão de primeira instância que proibia a União e as Forças Armadas de celebrar o início da ditadura militar no dia de março deste ano.
 
A desembargadora e a filha, advogada Renata Gerusa Prado de Araújo, foram citadas por empresários da JBS de obter tráfico de influência nos tribunais superiores em Brasília. As denúncias foram feitas pelo ex-genro da magistrada, mas acabaram não sendo comprovadas na Justiça.
 
A redução no pedágio levou ao pé da risca o ditador popular de que “alegria de pobre, dura pouco”. Neste caso, a felicidade não durou 24h.
    
› Deixe sua opinião
Nome  
E-mail  
Mensagem 
 
Digite as duas palavras que você vê abaixo:
 
 


   
Previdência: reforma corta pensão por morte pela metade e prejudica os cônjuges
    
   
Suzana Garcia, advogada/Notícia ao Minuto
    
   
    
Publicidade
Hora da Noticia   |   (67) 9924-2726   |   [email protected]   |   Costa Rica - MS