www.horadanoticia.com.br
Aqui você lê o que acontece de fato
 
    Hora da Notícia (67) 9924-2726    Busca
   Primeira Página
   Notícias
      › Brasil
      › Alcinópolis
      › Camapuã
      › Chapadão do Sul
      › Costa Rica
      › Figueirão
      › Paraíso das Águas
   Guia de Negócios
   Agenda de Eventos
   Colunistas
   Galeria de Fotos
   Aniversariantes
   Notas Breves
   Charges
   Entrevistas
   Quem Somos
   Expediente
   Anuncie Aqui!
   Fale Conosco
  Informativo
  Cotações
Notícias
Busca 
Economia
12/02/2020 - 08:21
Preço do etanol dispara nas bombas, sobe até R$ 0,60 e engole “presente” de Reinaldo
Foto: Reprodução
Reinaldo participou da reunião de governadores, que não reduziu o ICMS
Reinaldo participou da reunião de governadores, que não reduziu o ICMS

O preço do etanol disparou nos postos de combustíveis de Mato Grosso do Sul e acumula alta de até 17,14% nos últimos 90 dias. O acréscimo atingiu R$ 0,60 nas bombas, engolindo o efeito da redução do ICMS ao consumidor final, que seria de R$ 0,16 com a redução de 25% para 20% na alíquota do ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços).
 
De acordo com a pesquisa da ANP (Agência Nacional do Petróleo), o custo médio da gasolina ao consumidor é de R$ 4,345 no Estado. Com o aumento do ICMS, o litro passará a custar de R$ 4,58 a R$ 4,64. O menor valor saltará dos atuais R$ 4,099 para R$ 4,33. O preço máximo deve pular de R$ 4,849 para até R$ 5,14.
 
A última previsão do Sinpetro (Sindicato dos Revendedores dos Derivados do Petróleo) é de que o impacto será acréscimo de R$ 0,24 no litro da gasolina e redução de R$ 0,16 no custo do etanol.
 
O problema é que o preço do etanol disparou nos últimos três meses, passando de R$ 3,397, em novembro do ano passado, para R$ 3,684 neste mês. Como o aumento foi de R$ 0,28 centavos, a queda de R$ 0,16 não fará recuar ao valor praticado antes do governador sancionar a redução do imposto.
 
O maior valor praticado no Estado teve majoração de 17,14%, de R$ 3,499 para R$ 4,099. Ou seja, o produto subiu R$ 0,60, mas só terá queda de R$ 0,16 ao consumidor final.
 
Em relação a fevereiro de 2019, o etanol está 12,5% mais caro, já que o valor médio oscilou de R$ 3,274 para R$ 3,684. O menor preço saltou de R$ 2,949 para R$ 3,439, enquanto o máximo, de R$ 3,699 para R$ 4,099.
 
Diretor do Sinpetr, Edson Lazarotto, atribuiu a disparada no preço do etanol ao período de entressafra da cana-de-açúcar. Ele explica que o produto ficou mais caro em todo o país. O dirigente admite que este aumento quatro vezes acima da inflação oficial não vai recuperar a competividade do etanol em relação a gasolina.
 
Na hora de abastecer, o proprietário de carro flex deverá fazer o seguinte cálculo, se o preço do etanol equivaler a menos de 70% do cobrado pela gasolina, compensa colocar o derivado da cana. A previsão é de que o combustível produzido a partir do petróleo continue sendo mais vantajoso.
 
A esperança dos donos de postos é de que o etanol tenha redução no preço com na safra. O presidente da Biosul (Associação do Produtores de Bionergia de Mato Grosso do Sul), Roberto Hollanda, confirmou que é normal o encarecimento no preço do etanol neste período de entressafra no Centro-Sul do País.
 
“Importante esclarecer que essa cadeia de combustíveis é formada por outros importantes agentes que participam da formação dos preços. Além dos produtores, há distribuidores, tributação e postos de combustíveis. Ou seja, externalidades regionais que podem somar ao momento de entressafra, onde ocorre menor disponibilidade do biocombustível no País”, informou a entidade, em nota.
 
A revolta com o aumento do ICMS por Reinaldo aumentou ainda mais após o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) desafiar os governadores a zerar o tributo para reduzir o preço dos combustíveis.
 
A reunião para discutir o assunto, ontem em Brasília, terminou sem qualquer sinalização de redução para o consumidor. O ministro da Economia, Paulo Guedes, considerou discutir a redução dos tributos sobre gasolina e óleo diesel na reforma tributária, que vai ficar a cargo do Congresso. Bolsonaro desistiu de encaminhar a própria proposta ao parlamento.
 
Com a decisão, após a esperada reunião, nada muda para o consumidor. Na verdade, muda para pior, no caso de Mato Grosso do Sul, que vai sentir o gosto amargo de pagar mais caro pela gasolina.
    
› Deixe sua opinião
Nome  
E-mail  
Mensagem 
 
Digite as duas palavras que você vê abaixo:
 
 


   
Previdência: reforma corta pensão por morte pela metade e prejudica os cônjuges
    
   
Ramiro Piergentile Neto
Direito de Opinar
    
   
    
Publicidade
Hora da Noticia   |   (67) 9924-2726   |   [email protected]   |   Costa Rica - MS