www.horadanoticia.com.br
Aqui você lê o que acontece de fato
 
    Hora da Notícia (67) 9924-2726    Busca
   Primeira Página
   Notícias
      › Brasil
      › Alcinópolis
      › Camapuã
      › Chapadão do Sul
      › Costa Rica
      › Figueirão
      › Paraíso das Águas
   Guia de Negócios
   Agenda de Eventos
   Colunistas
   Galeria de Fotos
   Aniversariantes
   Notas Breves
   Charges
   Entrevistas
   Quem Somos
   Expediente
   Anuncie Aqui!
   Fale Conosco
  Informativo
  Cotações
Notícias
Busca 
Política
14/02/2020 - 06:03
Após reunião com empresários, OAB avalia acionar STF contra aumento da gasolin
Midiamax
Acionada por empresários sul-mato-grossenses, a OAB-MS (Ordem dos Advogados do Brasil, seccional de Mato Grosso do Sul) avalia questionar no STF (Supremo Tribunal Federal) o aumento na alíquota de ICMS (Imposto Sobre Circulação de Mercadorias e Serviços) proposto e sancionado pelo Governo do Estado, que fez o preço da gasolina ultrapassar os R$ 5 em algumas cidades de MS.
 
Na tarde desta quinta-feira (13), representantes do Sinpetro (Sindicato do Comércio Varejista de Combustíveis, Lubrificantes e Lojas de Conveniência de Mato Grosso do Sul) e da ACICG (Associação Comercial e Industrial de Campo Grande) se reuniram na sede da entidade, onde pediram apoio na elaboração de estudos sobre a alta na cobrança.
 
Presidente da OAB-MS, Mansour Elias Karmouche afirmou que a Comissão de Assuntos Tributários da seccional já estava estudando a constitucionalidade da medida, anunciada pelo Governo como estratégia para incentivar o consumo do etanol. Na prática, o combustível segue não compensando para o consumidor.
 
 
Reunião na sede da OAB-MS
 
Mansour adiantou que convidará o secretário de Estado de Fazenda para explicar o impacto financeiro do aumento. Caso não haja diálogo, adiantou a entidade, o caso poderá ser levado às instâncias superiores. Para o empresariado, a política do Governo em onerar cada vez mais os cidadãos têm atrapalhado a economia.
 
“A política econômica do nosso Estado está um pouco equivocada, poderia gerar mais emprego e renda local, mas ao contrário, aumenta impostos, carga tributária e faz com que os empresários tenham que se instalar nos estados e até países vizinhos”, criticou o advogado e secretário da ACICG, Roberto Oshiro. Gerente executivo do Sinpetro-MS, Edson Lazaroto reclamou que 50% do custo dos donos de postos têm sido em repasses ao Governo do Estado, situação que acaba prejudicando o consumidor final.
    
› Deixe sua opinião
Nome  
E-mail  
Mensagem 
 
Digite as duas palavras que você vê abaixo:
 
 


   
Previdência: reforma corta pensão por morte pela metade e prejudica os cônjuges
    
   
Ramiro Piergentile Neto
Direito de Opinar
    
   
    
Publicidade
Hora da Noticia   |   (67) 9924-2726   |   [email protected]   |   Costa Rica - MS