www.horadanoticia.com.br
Aqui você lê o que acontece de fato
 
    Hora da Notícia (67) 9924-2726    Busca
   Primeira Página
   Notícias
      › Brasil
      › Alcinópolis
      › Camapuã
      › Chapadão do Sul
      › Costa Rica
      › Figueirão
      › Paraíso das Águas
   Guia de Negócios
   Agenda de Eventos
   Colunistas
   Galeria de Fotos
   Aniversariantes
   Notas Breves
   Charges
   Entrevistas
   Quem Somos
   Expediente
   Anuncie Aqui!
   Fale Conosco
  Informativo
  Cotações
Notícias
Busca 
Saúde
25/06/2020 - 07:13
Número de casos cresce 363% e Capital deverá adotar lockdown em julho contra pandemia
Foto: Reprodução
O Jacaré
Após manter a situação sob controle por três meses, Campo Grande registrou aumento de 363% no número de casos confirmados da covid-19 em 24 dias deste mês, de 312, no dia 1º, para 1.446 ontem (24). Com a propagação acelerada do contágio, a Capital deverá adotar o lockdown (isolamento total) em julho para conter a pandemia, segundo previsão do médico infectologista e pesquisador da Fundação Oswaldo Cruz, Júlio Henrique Croda.
 
Na avaliação do especialista, as novas medidas anunciadas pelo prefeito Marquinhos Trad (PSD), como uso obrigatório de máscara desde sexta-feira (19) e antecipação do toque de recolher para as 22h a partir de manhã, não serão suficientes para impedir o alastramento do coronavírus.
 
“Campo Grande até julho deverá entrar em lockdown, porque não não terá vagas de UTI (Unidade de Terapia Intensiva)”, previu Croda. A previsão é voltar a suspender todo, só mantendo as atividades essenciais, como supermercados, farmácias e conveniências.
 
O campo-grandense já teve experiência semelhante na segunda quinzena de março, quando Marquinhos conseguiu parar a cidade, desde o transporte coletivo, shoppings, academias, comércio, hotéis e até o Terminal Rodoviário de Campo Grande. Naquele mês, o toque de recolher começava às 20h.
 
A reabertura ocorreu de forma gradual e mediante uma série de medidas de biossegurança, como utilização de álcool gel e distanciamento social. No entanto, desde o dia das mães, o campo-grandense vem dando sinais de que perdeu o medo para a pandemia, que já matou mais de 53,8 mil pessoas no Brasil e 58 em Mato Grosso do Sul.
 
De meados de março até o dia 1º deste mês, a Capital tinha contabilizado 312 pacientes infectados pelo coronavírus. A situação ficou totalmente o controle neste mês, com espetacular aumento de 363% em 23 dias, chegando a 1.446 casos nesta quarta-feira (24).
 
 
Uso de máscaras não deverá ser suficiente para impedir lockdown na Capital (Foto: Arquivo/Midiamax)
Outro dado que preocupa é o avanço da pandemia entre os profissionais de saúde, que sofrem com a falta de equipamentos de proteção especial. A Prefeitura da Capital chegou a licitar a compra de milhares de máscaras, mas o contrato acabou cancelado porque o fornecedor teve dificuldade para entregar o produto. O Hospital Regional de Mato Grosso do Sul Rosa Pedrossian precisou recorrer a doações de máscaras e aventais, apesar de ser referência no tratamento da doença.
 
O resultado está na estatística. Em 23 dias, houve aumento de 736% no número de profissionais da saúde infectados pela covid-19, de 33 para 276. O crescimento maior ocorreu entre os enfermeiros, de 4 para 53. Houve aumento de 446% no número de médicos com resultado positivo, de 13 para 71 ontem.
 
Ex-diretor clínico do HR, o médico Ronaldo Costa alerta que a situação poderá ficar muito pior com a chegada do inverno, quando há aumento no número de doenças respiratórias. “Com as manifestações sintomáticas das doenças comuns do inverno, como tosse, espirros, crises de asma e outras alergias como rinites, sinusites… todo este conjunto de fatores, se complicar ainda mais com inverno mais frio e seco tenderá para criar uma condição de propagação ainda maior do coronavírus”, avisou.
 
“É bom que fique claro que esta doença, a SARS pelo coronavírus é uma doença infecciosa grave, que não tem medicamentos específicos definidos para seu tratamento”, alertou. Costa defendeu a adoção imediata de medidas emergenciais para conter a pandemia.
 
“Eu continuo afirmando que a política de isolamento de contato deve ser implementada imediatamente. Poderemos passar dificuldades, mas teremos mais chances de vida”, defendeu o médico.
 
O HR já ativou o hospital de campanha, com 120 leitos improvisados. De acordo com o Campo Grande News, a unidade recebeu os primeiros dez pacientes ontem.
 
 
    
› Deixe sua opinião
Nome  
E-mail  
Mensagem 
 
Digite as duas palavras que você vê abaixo:
 
 


   
IBGE dá início à pesquisa sobre a Covid-19 com entrevistas por telefone
    
   
Ramiro Piergentile Neto
Direito de Opinar
    
   
    
Publicidade
Hora da Noticia   |   (67) 9924-2726   |   horadanoticiaredacao@hotmail.com   |   Costa Rica - MS