www.horadanoticia.com.br
Aqui você lê o que acontece de fato
 
    Hora da Notícia (67) 9924-2726    Busca
   Primeira Página
   Notícias
      › Brasil
      › Alcinópolis
      › Camapuã
      › Chapadão do Sul
      › Costa Rica
      › Figueirão
      › Paraíso das Águas
   Guia de Negócios
   Agenda de Eventos
   Colunistas
   Galeria de Fotos
   Aniversariantes
   Notas Breves
   Charges
   Entrevistas
   Quem Somos
   Expediente
   Anuncie Aqui!
   Fale Conosco
  Informativo
  Cotações
Notícias
Busca 
Política
10/10/2020 - 22:57
Harfouche cita “direito adquirido” e “precedente” para manter candidatura a prefeito
Foto: Reprodução
O Jacaré
O procurador de Justiça licenciado, Sérgio Harfouche (Avante), citou “direito adquirido” e “precedente” para manter a candidatura a prefeito de Campo Grande nas eleições deste ano. A coligação “Avançar e Fazer Mais”, de Marquinhos Trad (PSD), e o Partido Progressista, de Esacheu Nascimento, pediram a impugnação do registro porque ele não se afastou definitivamente do cargo, como determina a Constituição Federal.
 
O caso será julgado pelo juiz Roberto Ferreira Filho, da 53ª Zona Eleitoral de Campo Grande. A tendência é que as partes recorram e a decisão chegue ao Tribunal Superior Eleitoral. Em 2018, quando disputou o Senado, Promotor Harfouche foi alvo de ação semelhante, mas obteve o aval do Tribunal Regional Eleitoral.
 
Os advogados de Marquinhos e de Esacheu alegaram que a Constituição só permite a candidatura de integrante do Ministério Público em caso de afastamento definitivo do cargo, por meio de aposentadoria ou demissão. No caso, a regra é a mesma adotada para juízes, que, como o caso de Sérgio Moro, são obrigados a pedir exoneração para ocupar cargos públicos ou participar de eleições.
 
Eles lembraram que o Supremo Tribunal Federal julga ação direta de inconstitucionalidade da ANPR (Associação Nacional dos Procuradores da República). Neste caso, a Advocacia-Geral da União e o procurador-geral da República, Augusto Aras, manifestaram-se pela improcedência do pedido, ou seja, para que continue proibido o afastamento temporário de promotores e procuradores para serem candidatos nas eleições.
 
A defesa de Harfouche alega que ele ingressou no Ministério Público em 1992 e a Emenda Constitucional 45 entrou em vigor em 2004. “Isto posto, não é possível falar em retroatividade da EC nº 45/2004 se esta não se enquadra em nenhuma exceção permitida pela Constituição Federal, bem como por que não há em seu teor qualquer menção à possível retroatividade de seus efeitos”, pontuam.
 
“Ademais, a participação político-partidária é um DIREITO ADQUIRIDO do Impugnado o qual, por conseguinte, não pode ser prejudicado por norma posterior, em conformidade com a garantia constitucional do art. 5º, inciso XXXVI”, ressaltam.
 
“No caso em análise, vislumbra-se que a Constituição Federal e a Constituição Estadual conferiram, aos membros do Ministério Público Estadual, que já integravam a instituição, o direito à participação político-partidária”, anotam.
 
“Sendo assim, a mutação no texto constitucional promovida pela EC nº 45/2004 não tem força para extinguir o direito à participação político-partidária e ao afastamento do cargo para disputar cargo eletivo daqueles que ingressaram no Ministério Público em data anterior à vigência da emenda”, analisam.
 
Harfouche citou ainda o precedente das eleições de 2018, quando a coligação “Avançar com Responsabilidade”, de Reinaldo Azambuja (PSDB), tentou impugnar sua candidatura a senador. Na época, o Tribunal Regional Eleitoral negou o pedido e considerou que o procurador pode disputar eleições sem o afastamento definitivo do cargo.
 
Aliás, a guerra jurídica entre os candidatos promete ser um capítulo à parte na eleição. Neste sábado, a Justiça Eleitoral acatou pedido do candidato e determinou a retirada de placa com a foto do candidato no comitê de Marquinhos Trad. A liminar foi deferida pelo juiz Paulo Afonso de Oliveira, da 8ª Zona Eleitoral.
    
› Deixe sua opinião
Nome  
E-mail  
Mensagem 
 
Digite as duas palavras que você vê abaixo:
 
 


   
João Maria Lós, presidente do TRE:
    
   
Ramiro Piergentile Neto
Direito de Opinar
    
   
    
Publicidade
Hora da Noticia   |   (67) 9924-2726   |   [email protected]   |   Costa Rica - MS