www.horadanoticia.com.br
Aqui você lê o que acontece de fato
 
    Hora da Notícia (67) 9924-2726    Busca
   Primeira Página
   Notícias
      › Brasil
      › Alcinópolis
      › Camapuã
      › Chapadão do Sul
      › Costa Rica
      › Figueirão
      › Paraíso das Águas
   Guia de Negócios
   Agenda de Eventos
   Colunistas
   Galeria de Fotos
   Aniversariantes
   Notas Breves
   Charges
   Entrevistas
   Quem Somos
   Expediente
   Anuncie Aqui!
   Fale Conosco
  Informativo
  Cotações
Notícias
Busca 
Política
24/12/2020 - 06:23
Baleia Rossi será o candidato do grupo de Maia à Presidência da Câmara
Foto: Reprodução
Poder 360
Deputado Baleai Rossi (MDB-SP)
Deputado Baleai Rossi (MDB-SP)
O deputado Baleia Rossi (MDB-SP) foi o escolhido pelo presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ) como candidato para representá-lo na disputa para a sucessão da Presidência da Casa. O congressista é presidente do MDB.
 
O anúncio foi feito nesta 4ª feira (23.dez.2020), pelo deputado Aguinaldo Ribeiro (PP-PB) ao lado de Baleia e Maia. Eles estavam em frente à residência oficial da presidência da Câmara, no Lago Sul, área nobre de Brasília.
 
“Abri mão da minha pré-candidatura. Dei uma passo atrás para o Brasil dar um passo adiante”, disse o deputado, que é do mesmo partido de Arthur Lira (PP-AL), principal oponente do grupo. Aguinaldo agradeceu ao presidente do PSL, Luciano Bivar, e à esquerda. “Essa disputa não é entre pessoas, mas pelo bem do Brasil”, prosseguiu.
 
Maia falou logo após Aguinaldo. Segundo ele, a decisão de ele “retirar” a pré-candidatura tirou um “peso” dos seus ombros de escolher entre um e outro. “A decisão dele tira de mim um peso de decidir”, afirmou. “O líder Aguinaldo foi meu braço direito nesses anos todos”, prosseguiu.
 
O desafio de Baleia, segundo Maia, é o de unificar o grupo em torno do atual presidente da Câmara. “Baleia agora tem que dialogar com todos os partidos para unificar cada vez mais o nosso bloco”, pregou.
 
PROTAGONISMO
Em sua primeira fala como candidato à presidência da Câmara, Baleia Rossi disse que Maia foi responsável por garantir o “protagonismo” da Câmara nos últimos anos. “Não sou mais candidato apenas do meu partido. O que nos une nesse momento é a defesa intransigente da nossa democracia”, afirmou.
 
Ao final do anúncio, Baleia pregou o que deve ser o mote da sua campanha contra Arthur Lira, que é próximo a Jair Bolsonaro. “A Câmara livre, a Câmara independente é o melhor para o futuro do nosso país”, concluiu.
 
Nem Maia, nem Baleia, nem Aguinaldo responderam às perguntas da imprensa após o anúncio.
 
 
 
PROCESSO DECISÓRIO
A escolha por Baleia, segundo aliados de Maia, veio após um grupo de aproximadamente 15 deputados do DEM se revoltar com o que seus participantes chamaram de “excesso de protagonismo” dos petistas na escolha. O partido juntou-se ao grupo de Maia, mas tinha resistências ao nome de Baleia, por ser próximo a Michel Temer (MDB), prócere do impeachment de Dilma Rousseff.
 
Houve ameaça de que o grupo debandasse para a candidatura de Arthur Lira (PP-AL), que conta com o apoio dos partidos do Centrão e do Presidente Jair Bolsonaro.
 
O outro cotado para a candidatura era Aguinaldo Ribeiro (PP-PB). Ele, porém, não tinha apoio nem do próprio partido. A sigla está fechada com Lira.
 
Maia aglutinou um bloco que, se todos os candidatos votarem conforme a orientação da legenda, reúnem 268 votos. Seria mais que os 257 necessários para eleger o candidato.
 
Os partidos são: PT, PSL, MDB, PSB, PSDB, DEM, PDT, Cidadania, PV, PC do B, Rede. Ainda não está claro se haverá um único candidato no bloco. Os partidos de esquerda cogitam lançar um nome no 1º turno das eleições e votar em Baleia no 2º turno, caso o candidato próprio não prospere.
 
O grupo se aglutinou em torno do bloco de Rodrigo Maia porque a outra candidatura viável é a de Arthur Lira. Ele se aproximou de Jair Bolsonaro ao longo de 2020. É o candidato favorito do Planalto. Também é o principal líder do bloco conhecido como Centrão.
 
Demonstraram apoio a Lira partidos que somam 204 votos. São eles: (PL, PP, PSD, Republicanos, Solidariedade, PTB, Pros, PSC, Avante, Patriota).
 
O anúncio da candidatura de Arthur Lira, em 9 dezembro, aumentou a pressão para que Maia anunciasse logo seu candidato. A comunicação foi adiada algumas vezes.
 
STF PROIBIU REELEIÇÃO
O atual presidente da Câmara foi proibido pelo STF (Supremo Tribunal Federal) de se candidatar novamente ao cargo. Ele está à frente da Casa desde 2016. Maia nega ter tido a intenção de concorrer novamente.
 
O grupo de Rodrigo Maia começou com 6 possíveis candidatos. Além de Baleia e Aguinaldo concorriam à benção de Rodrigo Maia Luciano Bivar (PSL-PE), Elmar Nascimento (DEM-BA), Marcelo Ramos (PL-AM) e Marcos Pereira (Republicanos-SP).
 
Ramos e Pereira deixaram o grupo e fecharam apoio a Arthur Lira.
 
Baleia sofreu resistências do PT no início. Deputados do partido se sentiam desconfortáveis com a proximidade dele com Michel Temer, a quem acusam de ter aplicado um golpe contra Dilma Rousseff para chegar à presidência da República.
 
A eleição da Câmara será em fevereiro de 2021. O vencedor terá mandato de 2 anos.
 
Ter um aliado à frente da Casa é importante para o Planalto porque é prerrogativa do cargo escolher os projetos que serão votados pelos deputados.
 
Se o governo quiser afrouxar a legislação sobre armas, por exemplo, a proposta só sai do papel se os presidentes da Câmara e do Senado pautarem os textos.
Abri mão da minha pré-candidatura. Dei uma passo atrás para o Brasil dar um passo adiante”, disse o deputado, que é do mesmo partido de Arthur Lira (PP-AL), principal oponente do grupo. Aguinaldo agradeceu ao presidente do PSL, Luciano Bivar, e à esquerda. “Essa disputa não é entre pessoas, mas pelo bem do Brasil”, prosseguiu.
 
Maia falou logo após Aguinaldo. Segundo ele, a decisão de ele “retirar” a pré-candidatura tirou um “peso” dos seus ombros de escolher entre um e outro. “A decisão dele tira de mim um peso de decidir”, afirmou. “O líder Aguinaldo foi meu braço direito nesses anos todos”, prosseguiu.
 
O desafio de Baleia, segundo Maia, é o de unificar o grupo em torno do atual presidente da Câmara. “Baleia agora tem que dialogar com todos os partidos para unificar cada vez mais o nosso bloco”, pregou.
 
PROTAGONISMO
Em sua primeira fala como candidato à presidência da Câmara, Baleia Rossi disse que Maia foi responsável por garantir o “protagonismo” da Câmara nos últimos anos. “Não sou mais candidato apenas do meu partido. O que nos une nesse momento é a defesa intransigente da nossa democracia”, afirmou.
 
Ao final do anúncio, Baleia pregou o que deve ser o mote da sua campanha contra Arthur Lira, que é próximo a Jair Bolsonaro. “A Câmara livre, a Câmara independente é o melhor para o futuro do nosso país”, concluiu.
 
Nem Maia, nem Baleia, nem Aguinaldo responderam às perguntas da imprensa após o anúncio.
PROCESSO DECISÓRIO
A escolha por Baleia, segundo aliados de Maia, veio após um grupo de aproximadamente 15 deputados do DEM se revoltar com o que seus participantes chamaram de “excesso de protagonismo” dos petistas na escolha. O partido juntou-se ao grupo de Maia, mas tinha resistências ao nome de Baleia, por ser próximo a Michel Temer (MDB), prócere do impeachment de Dilma Rousseff.
 
Houve ameaça de que o grupo debandasse para a candidatura de Arthur Lira (PP-AL), que conta com o apoio dos partidos do Centrão e do Presidente Jair Bolsonaro.
 
O outro cotado para a candidatura era Aguinaldo Ribeiro (PP-PB). Ele, porém, não tinha apoio nem do próprio partido. A sigla está fechada com Lira.
 
Maia aglutinou um bloco que, se todos os candidatos votarem conforme a orientação da legenda, reúnem 268 votos. Seria mais que os 257 necessários para eleger o candidato.
 
Os partidos são: PT, PSL, MDB, PSB, PSDB, DEM, PDT, Cidadania, PV, PC do B, Rede. Ainda não está claro se haverá um único candidato no bloco. Os partidos de esquerda cogitam lançar um nome no 1º turno das eleições e votar em Baleia no 2º turno, caso o candidato próprio não prospere.
 
O grupo se aglutinou em torno do bloco de Rodrigo Maia porque a outra candidatura viável é a de Arthur Lira. Ele se aproximou de Jair Bolsonaro ao longo de 2020. É o candidato favorito do Planalto. Também é o principal líder do bloco conhecido como Centrão.
 
Demonstraram apoio a Lira partidos que somam 204 votos. São eles: (PL, PP, PSD, Republicanos, Solidariedade, PTB, Pros, PSC, Avante, Patriota).
 
O anúncio da candidatura de Arthur Lira, em 9 dezembro, aumentou a pressão para que Maia anunciasse logo seu candidato. A comunicação foi adiada algumas vezes.
 
STF PROIBIU REELEIÇÃO
O atual presidente da Câmara foi proibido pelo STF (Supremo Tribunal Federal) de se candidatar novamente ao cargo. Ele está à frente da Casa desde 2016. Maia nega ter tido a intenção de concorrer novamente.
 
O grupo de Rodrigo Maia começou com 6 possíveis candidatos. Além de Baleia e Aguinaldo concorriam à benção de Rodrigo Maia Luciano Bivar (PSL-PE), Elmar Nascimento (DEM-BA), Marcelo Ramos (PL-AM) e Marcos Pereira (Republicanos-SP).
 
Ramos e Pereira deixaram o grupo e fecharam apoio a Arthur Lira.
 
Baleia sofreu resistências do PT no início. Deputados do partido se sentiam desconfortáveis com a proximidade dele com Michel Temer, a quem acusam de ter aplicado um golpe contra Dilma Rousseff para chegar à presidência da República.
 
A eleição da Câmara será em fevereiro de 2021. O vencedor terá mandato de 2 anos.
 
Ter um aliado à frente da Casa é importante para o Planalto porque é prerrogativa do cargo escolher os projetos que serão votados pelos deputados.
 
Se o governo quiser afrouxar a legislação sobre armas, por exemplo, a proposta só sai do papel se os presidentes da Câmara e do Senado pautarem os textos.
    
› Deixe sua opinião
Nome  
E-mail  
Mensagem 
 
Digite as duas palavras que você vê abaixo:
 
 
   
A primeiro de janeiro de 2021 tomam posse prefeitos e vereadores
    
   
Cientistas descobrem caminho para tratar a depress
    
   
    
Publicidade
Hora da Noticia   |   (67) 9924-2726   |   [email protected]   |   Costa Rica - MS