www.horadanoticia.com.br
Aqui você lê o que acontece de fato
 
    Hora da Notícia (67) 9924-2726    Busca
   Primeira Página
   Notícias
      › Brasil
      › Alcinópolis
      › Camapuã
      › Chapadão do Sul
      › Costa Rica
      › Figueirão
      › Paraíso das Águas
   Guia de Negócios
   Agenda de Eventos
   Colunistas
   Galeria de Fotos
   Aniversariantes
   Notas Breves
   Charges
   Entrevistas
   Quem Somos
   Expediente
   Anuncie Aqui!
   Fale Conosco
  Informativo
  Cotações
Entrevistas
09/09/2021
Alta da gasolina pesa, e inflação oficial fica em 0,87% em agosto, maior taxa para o mês desde 2000

A inflação calculada pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), considerada a inflação oficial do país, ficou em 0,87% em agosto, segundo dados divulgados nesta quinta-feira (9) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).
 
Puxada pelo aumento do preço da gasolina, esta foi a maior taxa para um mês de agosto desde 2000, embora levemente abaixo dos 0,96% registrados em julho.
 
Com o resultado, a inflação acumulada em 12 meses chegou a 9,68%, a mais alta desde fevereiro de 2016, quando ficou em 10,36%. No ano, o IPCA acumula alta de 5,67%.
 
Desde março, o indicador acumulado em 12 meses tem ficado cada vez mais acima do teto da meta estabelecida pelo governo para a inflação deste ano, que é de 5,25%.
 
O IBGE destacou que, em agosto, o indicador acumulado em 12 meses ficou acima de 10% em 8 das 16 regiões pesquisadas.
 
 
Inflação disseminada
A inflação está cada vez mais disseminada, ou seja, atingindo cada vez mais itens de consumo do brasileiro. Dos nove grupos de produtos e serviços pesquisados pelo IBGE para a composição do IPCA, oito registraram aumento de preços em agosto.
 
Além disso, o índice de difusão do IPCA - que reflete o espalhamento da alta de preços entre os 377 produtos e serviços pesquisados - passou de 64% em julho para 72% em agosto. Desde dezembro do ano passado esse índice não ultrapassava os 70%.
 
Veja o resultado para cada um dos grupos pesquisados:
 
Alimentação e bebidas: 1,39%
Habitação: 0,68%
Artigos de residência: 0,99%
Vestuário: 1,02%
Transportes: 1,46%
Despesas pessoais: 0,64%
Educação: 0,28%
Comunicação: 0,23%
Saúde e cuidados pessoais: -0,04%
Gasolina é a 'vilã' da inflação em agosto
 
Os combustíveis foram os 'vilões' da inflação em agosto, com destaque para a gasolina. Segundo o IBGE, a alta foi de 2,96%, acima dos 1,24% do mês anterior.
 
Só a gasolina, com alta de 2,80%, foi responsável por 0,17 ponto percentual da inflação mensal, sendo o item com o maior impacto individual sobre o índice. Etanol (4,50%), gás veicular (2,06%) e óleo diesel (1,79%) também ficaram mais caros no mês.
 
“O preço da gasolina é influenciado pelos reajustes aplicados nas refinarias de acordo com a política de preços da Petrobras", disse em nota o analista da pesquisa, André Filipe Guedes Almeida.
Almeida destacou que "o dólar, os preços no mercado internacional e o encarecimento dos biocombustíveis são fatores que influenciam os custos, o que acaba sendo repassado ao consumidor final".
 
No ano, a gasolina acumula alta de 31,09%, o etanol 40,75% e o diesel 28,02%.
 
"Em oito meses, o preço da gasolina sofreu alta em sete deles. Somente em abril houve queda no preço dela, de 0,44%", destacou o pesquisador.
 
O que faz os preços da gasolina e diesel subirem?
 
Peso dos transportes volta a superar o da alimentação
Puxado pelos combustíveis, o grupo dos transportes teve alta de 1,46% em agosto, exercendo a maior influência sobre o IPCA entre os grupos pesquisados.
 
Tiveram alta também, aqui, veículos próprios (1,16%), com alta de 1,98% nos automóveis usados, 1,79% nos novos, e 1,01% em motocicletas. Já os transportes públicos tiveram queda média de 1,21%, sob influência de uma queda de 10,69% nos preços das passagens aéreas.
 
A pressão dos preços dos combustíveis tem sido tamanha que, em agosto, o peso do grupo de transportes voltou a superar o da alimentação na composição do IPCA e, por isso, o de maior impacto no orçamento doméstico.
 
De acordo com o analista da pesquisa, os transportes tiveram o maior peso entre os nove grupos pesquisados entre outubro de 2019 a maio de 2020. Desde então, a alimentação vinha sendo a de maior impacto na inflação, representando 19,97% do IPCA, enquanto os transportes respondiam por 19,85%.
 
Em agosto, porém, os transportes passaram a responder por 20,87% do IPCA, enquanto a alimentação, 20,83%.
 
Alimentos seguem em alta
Os preços dos alimentos não deram trégua para os consumidores em agosto. Com alta de 1,39% (mais que o dobro da alta de 0,60% registrada em julho), o grupo de alimentação e bebidas foi o segundo de maior impacto sobre a inflação do mês.
 
Veja os alimentos que mais encareceram em agosto:
 
batata-inglesa: 19,91%
café moído: 7,51%
frango em pedaços: 4,47¨
frutas: 3,90%
carnes: 0,63%
 
Com a pressão destes alimentos, muito consumidos na mesa dos brasileiros, mais que dobrou, também, a inflação sobre a alimentação no domicílio, que passou de 0,78% em julho para 1,63% em agosto.
 
No lado oposto, a cebola e o arroz se destacaram entre os produtos que registraram queda de preços em agosto - respectivamente, de -3,71% e -2,09%.
 
Já inflação sobre a alimentação fora do domicílio acelerou ainda mais, ficando em 0,76% em agosto - cerca de 5 vezes maior que a de julho, de 0,14%. Essa alta se deve, sobretudo, ao aumento no preço médio do lanche (1,33%) e da refeição (0,57%), cujos preços haviam subido, respectivamente, 0,16% e 0,04% no mês anterior.
 
Alta da conta de luz perde força, mas ainda pressiona
Vilã da inflação do mês passado, a alta da energia perdeu força em agosto, subindo 1,10% (em julho, a alta foi de 7,88%) – mas seguiu pressionando as contas.
 
“O resultado é consequência dos reajustes tarifários em Vitória, Belém e em uma das concessionárias em São Paulo. Além disso, a bandeira tarifária vermelha patamar 2, que adiciona R$ 9,492 a cada 100 kWh consumidos, vigorou nos meses de julho e agosto”, afirmou André Filipe Almeida.
Os preços do gás encanado (2,70%) e do gás de botijão (2,40%) também subiram.
 
Inflação dos serviços desacelera em agosto
 
O IPCA calculado especificamente sobre os serviços no país desacelerou de 0,67% em julho para 0,39% em agosto.
 
Segundo o analista da pesquisa, André Almeida, essa desaceleração se deu por conta das passagens aéreas, cujos preços médios tiveram queda de 10,69% em agosto, depois de terem subido 35,22% no mês anterior.
 
Entre os principais aumentos de preços no mês destacam-se o aluguel de veículos (6,61%), os serviços de streaming (6,39%).
 
Em 12 meses, o IPCA de serviços acumula alta de 3,93%.
 
Inflação em alta em todas as regiões
A pesquisa mostra ainda que todas as 16 regiões do país pesquisadas pelo IBGE tiveram inflação em agosto. Em seis delas, o indicador ficou acima da média nacional.
 
A maior taxa foi registrada em Brasília, de 1,40%, influenciada pelas altas nos preços da gasolina (7,76%) e da energia elétrica (3,67%).
 
Já a menor taxa foi observada na região metropolitana de Belo Horizonte (0,43%), por conta da queda nos preços das passagens aéreas (-20,05%) e da taxa de água e esgoto (-13,73%).
 
Brasília registrou, em agosto, a maior taxa de inflação entre as regiões pesquisadas pelo IBGE — Foto: Economia/G1
Brasília registrou, em agosto, a maior taxa de inflação entre as regiões pesquisadas pelo IBGE — Foto: Economia/G1
 
Para calcular o IPCA de agosto, O IBGE comparou os preços coletados no período de 29 de julho a 27 de agosto de 2021 com os preços vigentes no período de 29 de junho a 28 de julho de 2021.
 
Meta de inflação e perspectivas
 
A meta central do governo para a inflação em 2021 é de 3,75%, e o intervalo de tolerância varia de 2,25% a 5,25%. Para alcançá-la, o Banco Central eleva ou reduz a taxa básica de juros da economia (Selic), que foi elevada no início de agosto para 5,25% ao ano.
 
As estimativas do mercado financeiro já estão longe das metas do BC: na última pesquisa Focus, que reúne as projeções dos analistas, a inflação esperada para este ano já chegava a 7,58%.
 
Já a expectativa dos analistas para a taxa Selic no fim do ano está atualmente em 7,63%, o que pressupõe que haverá novas altas nos próximos meses.
 
Na ata de sua última reunião, o Comitê de Política Monetária do Banco Central avaliou que a inflação ao consumidor continua se revelando "persistente", indicando uma nova alta de um ponto percentual no juro básico da economia em sua próxima reunião, marcada para 21 e 22 de setembro.
 
Para 2022, a inflação também dá mostras de estar fora do esperado: o mercado financeiro estima uma taxa de 3,94%. No ano que vem, a meta central de inflação é de 3,5% e será oficialmente cumprida se oscilar de 2% a 5%.
Notícias em Destaque
17/10/2021 Turismo de Bonito tem o melhor setembro dos últimos 7 anos
17/10/2021 Em MS, 69% da população está com excesso de peso e 36% com obesidade
16/10/2021 UEMS investe mais de R$ 13 milhões em bolsas e auxílios para estudantes
16/10/2021 Governadores avançam na criação de consórcio em defesa do desenvolvimento sustentável
16/10/2021 Em MS, 69% da população está com excesso de peso e 36% com obesidade
 
     COLUNISTAS
Ramiro Piergentile Neto (Esporte)
Qualidade x Pouco tempo de preparação
  
     GALERIA DE FOTOS
Leilão em beneficio do Hospital do câncer de Barretos foi realizado em Figueirão
  
Imagem do dia
Policia civil de Costa Rica queima quase 600 quilo de maconha
 
   
Alta da gasolina pesa, e inflação oficial fica em 0,87% em agosto, maior taxa para o mês desde 2000
    
   
Paulo Corrêa, presidente da Assembleia Legislativa
    
   
    
Publicidade
Hora da Noticia   |   (67) 9924-2726   |   [email protected]   |   Costa Rica - MS