www.horadanoticia.com.br
Aqui você lê o que acontece de fato
 
    Hora da Notícia (67) 9924-2726    Busca
   Primeira Página
   Notícias
      › Brasil
      › Alcinópolis
      › Camapuã
      › Chapadão do Sul
      › Costa Rica
      › Figueirão
      › Paraíso das Águas
   Guia de Negócios
   Agenda de Eventos
   Colunistas
   Galeria de Fotos
   Aniversariantes
   Notas Breves
   Charges
   Entrevistas
   Quem Somos
   Expediente
   Anuncie Aqui!
   Fale Conosco
  Informativo
  Cotações
Entrevistas
28/02/2010
Padre Paulo se mostrou preocupado com os jovens

Depois de três anos a frente da Igreja Matriz de Santo Antônio, o Padre Paulo Roberto foi transferido para São Paulo. Em seu lugar assumiu o Fabrico Pinheiro, vindo da cidade de Alcinópolis/MS. Padre Paulo recebeu o Hora da Notícia e falou do seu trabalho em Costa Rica, considerou como um desafio: “acrescentou muito na minha vida, quanto maior o desafio, maior é o crescimento da pessoa”- observou.

Ele era responsável em atender dezoito comunidades rurais, algumas distantes com celebração de missa uma vez por mês, nas mais próximas as missas acontecem uma vez por semana. Seus maiores desafios, segundo ele, foram coordenar a realização de seis festas religiosas no município, pastorais e serviços prestados a comunidade.

Simples, de fala tranqüila e sintonia com Deus, o padre acredita que a serenidade para ajudar os fiéis que o procuram na igreja para aconselhamento em momentos difíceis se deve ao fato dele ter sido ordenado padre no dia do Bom Pastor, há quatorze anos atrás.

Padre Paulo foi o responsável pela conclusão da Igreja de Nossa Senhora da Aparecida, localizada no Bairro Vale do Amanhecer, uma igreja moderna, onde foram empregados materiais de primeira linha em um bairro considerado carente, conforme disse o padre.

O Pastor ressaltou que a Igreja vai trazer dignidade aquelas pessoas que moram no local, uma vez que elas são parte da sociedade e não podem ser excluídas. “Estamos organizando para resgatar a dignidade das pessoas que vivem no bairro”. O padre observou que na diocese não há uma Igreja com as características da construída no vale.

Ele citou o festival de música realizado no ano passado no bairro, como sendo algo novo: “isso valorizou as pessoas, foi uma coisa nova”. A intenção é aos poucos motivar as pessoas e fazer com que elas participem da Igreja e exerçam sua cidadania.

Durante os três anos que esteve à frente da Igreja em Costa Rica fundou duas comunidades rurais: a de São Pedro, localizada no Morro Alto e a comunidade de São Domingos, as duas distantes da cidade, mas com um grande numero de fies que se reúnem para as missas.

As estradas que levam a essas comunidades é um grande desafio principalmente em épocas de chuva, algumas estão localizadas a 65km de distancia da sede da Igreja, esse é o caso da localizada conhecida como “Curralinho”.

O padre narra que os momentos mais marcantes durante sua permanência a frente da igreja em Costa Rica foi o atendimento as pessoas com algum tipo de sofrimento, “precisei levar o conforto”. Ele fez questão de ressaltar que esse é o trabalho do Bom Pastor, que ele acredita e tem fé: “fui ordenado no dia do Bom Pastor, ele me dá sabedoria”. Ele acrescenta que deve ir em busca das ovelhas que estão sofrendo, precisa levar algo para que essa possa se restaure.

Padre Paulo como é conhecido pelo fiéis, se alegra quando fala da viagem que fez a Itália no ano passado: “essa foi a experiência mais gratificante que eu tive”. Foram dias de visitas a cidades consideradas históricas onde pudemos conhecer um pouco da nossa religião. A Itália é o berço do catolicismo, estivemos em Roma, visitamos o Vaticano é tive a oportunidade de ver o Papa em três oportunidades, uma delas durante a celebração na Praça de São Pedro, ele estava no Papa Móvel. Ele visitou a cidade de Santo Antônio onde está sepultado o padroeiro de Costa Rica.

O padre se mostra preocupado com os jovens fora da igreja: “o jovem é o maior desafio para a Igreja hoje, nos não estamos conseguindo chegar até eles”, disse. Ele ressaltou que o número de jovens que está fora da igreja é muito maior que os que estão participando e atribui esse fato a comunicação social através da internet, os jogos, antes não tínhamos nada disso. A Igreja não acompanhou essa evolução, “não estamos falando a língua deles”. O desafio da Igreja é apresentar uma proposta diferente que traga a juventude para dentro da Igreja.

A família perdeu referências, valores. A Igreja, família e Estado eram as referências, hoje os pais mandam as crianças para a escola e acham que ela deve aprender tudo, mas não é assim, precisam despertar algo novo, essa é a missão dessas entidades que tem dificuldades de falar a língua do jovem, é preciso achar um novo canal de comunicação.

Hora da Notícia


Notícias em Destaque
23/05/2024 Projeto institui programa de conscientização sobre doação de sangue nas escolas
23/05/2024 Disputa entre Bolsonaro e Valdemar põe em risco aliança com PP em MS
22/05/2024 Grupo comandado por Cezário simulou compra de uniformes de futebol para desviar R$ 90 mil
22/05/2024 Passe Livre Intermunicipal para idosos e pessoas com deficiência garante viagem gratuita ou com desconto
21/05/2024 Prefeitura emite nota de pesar pelo falecimento da ex-servidora Suelen Guimarães Furquim
 
     COLUNISTAS
Ramiro Piergentile Neto (Esporte)
Qualidade x Pouco tempo de preparação
  
     GALERIA DE FOTOS
A 21ª festa da família Melo reuniu três gerações em Costa Rica
  
Imagem do dia
Policia civil de Costa Rica queima quase 600 quilo de maconha
 
   
Mais de 30% dos idosos do Brasil são depressivos e 16% solitários
    
   
Lei que equipara a injúria racial
    
   
    
Publicidade
Hora da Noticia   |   (67) 9924-2726   |   [email protected]   |   Costa Rica - MS