www.horadanoticia.com.br
Aqui você lê o que acontece de fato
 
    Hora da Notícia (67) 9924-2726    Busca
   Primeira Página
   Notícias
      › Brasil
      › Alcinópolis
      › Camapuã
      › Chapadão do Sul
      › Costa Rica
      › Figueirão
      › Paraíso das Águas
   Guia de Negócios
   Agenda de Eventos
   Colunistas
   Galeria de Fotos
   Aniversariantes
   Notas Breves
   Charges
   Entrevistas
   Quem Somos
   Expediente
   Anuncie Aqui!
   Fale Conosco
  Informativo
  Cotações
Notícias
Busca 
Saúde
27/02/2021 - 05:30
‘Vamos viver dias terríveis’: MS chega a média de 850 casos por dia e internações aumentam
Foto: Imagens da internet
Midiamax.com.br / Mylena Rocha
Foto ilustrativa de um hospital
Foto ilustrativa de um hospital
A situação da pandemia de coronavírus tem preocupado as autoridades de saúde em Mato Grosso do Sul. Os números voltaram a crescer e MS chegou a uma média móvel de 850 casos por dia, a maior das últimas semanas. Além disso, as internações aumentaram e já faltam leitos de UTI (Unidade de Terapia Intensiva) no Estado, principalmente em Campo Grande e Dourados. 
 
O secretário da SES (Secretaria de Estado de Saúde) Geraldo Resende se mostrou bastante preocupado com o cenário da pandemia durante a live nesta sexta-feira (26). “Vamos viver dias terríveis a partir desta semana”, disse Resende logo no início da transmissão. 
 
A preocupação se deve ao aumento da média móvel de casos novos, ao número de internações e de mortes em Mato Grosso do Sul. “A partir da semana passada, houve um acréscimo significativo na média móvel de casos. Estivemos por vários dias abaixo de 700 casos. Agora, a nossa média móvel já ultrapassa 850 casos por dia”, lamentou o secretário. 
 
Resende ainda citou o aumento de internações em MS. Há duas semanas, havia 474 pessoas internadas no Estado. Nesta sexta-feira (26), o número de internações chegou a 594. O secretário disse que não há leitos de UTI na cidade de Dourados e que já faltam leitos em hospitais da Capital.
 
“Não temos como ampliar leitos de UTI em Naviraí, montados e bancados pelo Governo do Estado, não temos como ampliar em Ponta Porã. Nós também não temos como ampliar leitos de UTI no Hospital Regional, nos falta o essencial: recursos humanos. Nós não temos médicos, não temos enfermeiros, não temos profissionais para fazer o manuseio correto desses pacientes”. 
 
O número de óbitos também aumentou. Na semana anterior, a 7ª semana epidemiológica, MS teve 83 óbitos por Covid-19. A 8ª semana, que só encerra no sábado (27), já ultrapassou em número de óbitos: foram 95 mortes registradas entre domingo (21) e esta sexta (26). “Nestes últimos dias, o número de óbitos nos assombra”, disse o secretário, ao lembrar que foram mais de 20 óbitos registrados nos últimos boletins. 
 
O secretário de Saúde de MS chegou a dizer que o cenário visto em Manaus e que chegou a atenção do país inteiro, onde não havia mais onde internar pacientes, pode acontecer em Mato Grosso do Sul caso a população continue a desrespeitar as orientações.
 
Internados em Campo Grande
 
Na live da SES desta sexta-feira (26), Geraldo Resende também comentou sobre os pacientes internados em Campo Grande. Ele citou que o Hospital Regional atingiu o limite de sua capacidade e que serve como ‘desaguadouro’ para os casos da Capital. 
 
Nesta semana, a CDL (Câmara de Dirigentes Lojistas) divulgou nota, citando que pacientes do interior sobrecarregam a saúde pública da Capital. Porém, Geraldo Resende disse que trata-se de uma falácia. O secretário estadual de saúde ressalta que cerca de 90% dos casos no HRMS são de moradores da própria Capital. “É uma mentira deslavada de alguns dirigentes, que têm interesses mercantis”
    
› Deixe sua opinião
Nome  
E-mail  
Mensagem 
 
Digite as duas palavras que você vê abaixo:
 
 
   
CASO HENRY: VIOLÊNCIA CONTRA A CRIANÇA NÃO DISTINGUE CLASSE SOCIAL
 
    
   
Cientistas descobrem caminho para tratar a depress
    
   
    
Publicidade
Hora da Noticia   |   (67) 9924-2726   |   [email protected]   |   Costa Rica - MS