www.horadanoticia.com.br
Aqui você lê o que acontece de fato
 
    Hora da Notícia (67) 9924-2726    Busca
   Primeira Página
   Notícias
      › Brasil
      › Alcinópolis
      › Camapuã
      › Chapadão do Sul
      › Costa Rica
      › Figueirão
      › Paraíso das Águas
   Guia de Negócios
   Agenda de Eventos
   Colunistas
   Galeria de Fotos
   Aniversariantes
   Notas Breves
   Charges
   Entrevistas
   Quem Somos
   Expediente
   Anuncie Aqui!
   Fale Conosco
  Informativo
  Cotações
Notícias
Busca 
Economia
28/02/2021 - 13:11
Em meio a protestos contra ICMS alto, consumo de gasolina no Estado é o menor em 10 anos
Foto: Leonardo de França/Midiamax)
midiamax Jones Mario
Frentista abastencendo em Campo Grande
Frentista abastencendo em Campo Grande
O consumo de gasolina pelos motoristas de Mato Grosso do Sul recuou 14,3% em janeiro deste ano, se comparado com o mesmo mês de 2020. A queda se consolida em meio a protestos contra a alíquota de ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços) sobre o combustível no Estado, hoje em 30%, quinta mais alta do País.
 
Segundo a ANP (Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis), as distribuidoras repassaram aos postos 54,1 mil metros cúbicos de gasolina em janeiro, equivalentes a 54,1 milhões de litros. O número é o menor para o mês desde 2012, quando foram vendidos 48,5 mil m³.
 
Em janeiro do ano passado, 63,1 mil m³ haviam sido movimentados. Com a diferença nas vendas de um ano para o outro, de 9 milhões de litros, seria possível encher o tanque de 192 mil carros populares.
A queda no consumo de gasolina no Estado vai na contramão da variação nacional, que praticamente manteve o mesmo volume movimentado em janeiro de 2020. Na região Centro-Oeste, só o Distrito Federal (-11%) também registrou baixa nas vendas.
 
De acordo com a ANP, o preço médio da gasolina nas bombas de Mato Grosso do Sul ficou 23 centavos mais caro só em janeiro. Além da tributação estadual, reajustes da Petrobras nas refinarias para acompanhar a alta nas cotações internacionais do petróleo também contribuíram para o aumento.
 
Deputados e entidade ameaçam ir à Justiça contra aumento do ICMS
O governador Reinaldo Azambuja (PSDB) propôs e a Assembleia Legislativa aprovou o salto na alíquota de ICMS sobre a gasolina, de 25% para 30%, ainda em 2019. A justificativa seria incentivar o consumo de etanol, cujo percentual passou de 25% para 20%.
 
O tucano então passou a ser pressionado pela população para recuar do aumento. Um protesto foi convocado para março. Na Assembleia Legislativa, a oposição a Reinaldo ameaça ir à Justiça contra a tributação mais alta.
 
Por sua vez, a OAB-MS (Ordem dos Advogados do Brasil) encaminha a proposição de uma ação para derrubar a elevação do ICMS da gasolina. A Comissão de Assuntos Tributários da seccional já emitiu parecer que enquadra o reajuste como inconstitucional.
 
Na tentativa de minimizar os protestos, o governo estadual decidiu congelar a pauta fiscal até o fim da primeira quinzena de março. Mas, na prática, a medida não reduz os preços altos já praticados nos postos.
 
Vendas de etanol e óleo diesel crescem
Em rebote ao consumo menor de gasolina, as vendas de etanol saltaram 80,2% no Estado em janeiro. Segundo a ANP, os postos de combustível compraram 16,3 mil metros cúbicos no mês. Em janeiro de 2020, o volume fechou em 9 mil metros cúbicos.
 
A movimentação de óleo diesel também aumentou, em 10,1%. Foram 55,8 mil metros cúbicos repassados aos postos de Mato Grosso do Sul, contra 50,7 mil em janeiro do ano passado.
    
› Deixe sua opinião
Nome  
E-mail  
Mensagem 
 
Digite as duas palavras que você vê abaixo:
 
 
   
CASO HENRY: VIOLÊNCIA CONTRA A CRIANÇA NÃO DISTINGUE CLASSE SOCIAL
 
    
   
Cientistas descobrem caminho para tratar a depress
    
   
    
Publicidade
Hora da Noticia   |   (67) 9924-2726   |   [email protected]   |   Costa Rica - MS