www.horadanoticia.com.br
Aqui você lê o que acontece de fato
 
    Hora da Notícia (67) 9924-2726    Busca
   Primeira Página
   Notícias
      › Brasil
      › Alcinópolis
      › Camapuã
      › Chapadão do Sul
      › Costa Rica
      › Figueirão
      › Paraíso das Águas
   Guia de Negócios
   Agenda de Eventos
   Colunistas
   Galeria de Fotos
   Aniversariantes
   Notas Breves
   Charges
   Entrevistas
   Quem Somos
   Expediente
   Anuncie Aqui!
   Fale Conosco
  Informativo
  Cotações
Notícias
Busca 
Saúde
01/03/2021 - 07:27
Vacina é necessária para restabelecer o consumo diz economista Carlos Thadeu
Foto: Ilustrativa
Poder 360 Carlos Thadeu
Técnico prepara aplicação da vacina
Técnico prepara aplicação da vacina
A crise gerada pela 2ª onda da covid-19 está produzindo efeitos negativos em 2021. O início do ano vem mostrando resultados fracos e uma desaceleração dos principais indicadores econômicos, o que é atribuído às incertezas e atrasos na agenda de vacinação, fator essencial para estimular a sensação de segurança da população e, com isso, levar à retomada do consumo e da atividade econômica.
 
O indicador de Intenção de Consumo das Famílias (ICF), apurado mensalmente pela CNC (Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo), apresentou a 1ª queda em fevereiro deste ano, depois de cinco meses de alta. Recuou 0,6% sobre janeiro, para 74,2 pontos.
 
O fator de maior influência para o resultado negativo na ICF foi o mercado de trabalho. Porém, mesmo com a maior preocupação em relação ao emprego, os consumidores seguem quitando dívidas e compromissos financeiros, já que os indicadores de inadimplência analisados na Pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor (Peic) da CNC estão sob controle.
 
O endividamento das famílias está crescendo desde novembro do ano passado, no contexto de taxas de juros ainda baixas. Com o custo do crédito atraente, os bancos estão prorrogando empréstimos, tornando o sistema financeiro, por enquanto, um aliado no suporte necessário para incentivar a demanda.
 
Os comerciantes mostraram que precisam desse incentivo do crédito. O Índice de Confiança do Empresário do Comércio (Icec), também medido pela CNC, recuou nos 2 primeiros meses do ano devido às preocupações com os efeitos do 2º momento da crise sanitária. A incerteza em relação às medidas do governo, notadamente o auxílio emergencial, estão deixando o consumidor muito cauteloso com os gastos e isso impacta diretamente o comportamento do empresário, principalmente no apetite e decisões sobre investimentos.
 
JUROS SUBIRÃO
As taxas de juros ainda estão baixas, mas a expectativa é que o Copom (Comitê de Política Monetária) comece a aumentar a Selic já na próxima reunião de março. Com recursos emergenciais em valores menores e mais curtos, assim como a descontinuidade das linhas especiais de crédito, a inadimplência pode se tornar um problema. Dessa forma, o crédito deve ser menos importante neste ano do que foi em 2020.
 
Mesmo com o recuo no índice geral da intenção de consumo das famílias, a percepção em relação ao nível de consumo atual seguiu crescendo pelo 6º mês consecutivo. Essa melhora é também observada na perspectiva de consumo para os meses à frente, sinalizando a confiança dos consumidores no seu poder futuro.
 
Esse otimismo nos subíndices de consumo do ICF deve-se à expectativa de retomada do auxílio emergencial e do Programa de Manutenção de Emprego e Renda. Com o capital das famílias assegurado por esses benefícios, a tendência é de que o comércio seja reaquecido temporariamente, assim como, por consequência, a economia.
 
BANCOS PRECISAM AJUDAR
Parte desses recursos, no entanto, voltarão aos bancos em forma de pagamentos e investimentos. Nesse sentido, as instituições bancárias podem e devem ajudar na manutenção de um sistema financeiro estável durante esse período que seguirá delicado às pessoas físicas e jurídicas. Para isso, precisam ampliar os prazos dos vencimentos das dívidas para empresários e consumidores.
 
Os programas governamentais ainda são fundamentais para recuperar a confiança dos agentes e evitar mais quedas na atividade. Não há uma alternativa, já que os indicadores de confiança em geral estão caindo. A expectativa de que a covid-19 seria controlada junto com as vacinas já no início do ano frustraram os consumidores.
 
PEC EMERGENCIAL É INDISPENSÁVEL
Entretanto, o aumento nas despesas do governo com a nova rodada do benefício emergencial exigirá compensações fiscais programadas para o futuro. A dívida pública crescente é um dos componentes que mais gera incerteza no país. Portanto, é muito importante que não se demore para ancorar as expectativas fiscais. Para isso, seria importante aprovar a PEC Emergencial.
 
A PEC dispõe de mecanismos de controle dos gastos públicos e desvincula parte do Orçamento. Com a sua aprovação, a situação fiscal ganhará credibilidade, atraindo investimento, gerando confiança, e reduzindo a volatilidade nos indicadores de risco, como câmbio e CDS. A dinâmica recente de crescimento acelerado dos juros longos deverá ser quebrada. Espera-se que a votação ocorra ainda no início de março, com atraso, e logo depois o auxílio deverá ser disponibilizado aos beneficiários.
 
Contudo, é importante salientar que, como boa parte do consumo é destinado aos serviços e esse setor representa parte importante da economia, a vacinação em grande escala é imprescindível para fomentar a economia. Somente com a segurança da vacina a população se sentirá totalmente apta a consumir os serviços e, assim, movimentar o setor novamente.
 
Em janeiro e fevereiro, mesmo com quedas em parte dos indicadores, as famílias mostram alguma percepção de melhora nas condições de consumo. A expectativa de liberação do auxílio emergencial, com compromisso de controle fiscal no futuro, vale novamente ressaltar, deve ajudar a recuperação parcial da confiança dos consumidores. Mas a intenção de consumo das famílias deve se recuperar de forma plenamente e retornar aos níveis de antes da pandemia somente quando a população em geral estiver majoritariamente vacinada.
 
    
› Deixe sua opinião
Nome  
E-mail  
Mensagem 
 
Digite as duas palavras que você vê abaixo:
 
 
   
CASO HENRY: VIOLÊNCIA CONTRA A CRIANÇA NÃO DISTINGUE CLASSE SOCIAL
 
    
   
Cientistas descobrem caminho para tratar a depress
    
   
    
Publicidade
Hora da Noticia   |   (67) 9924-2726   |   [email protected]   |   Costa Rica - MS