Content on this page requires a newer version of Adobe Flash Player.

Get Adobe Flash player

www.horadanoticia.com.br
Aqui você lê o que acontece de fato
 
    Hora da Notícia (67) 9924-2726    Busca

Content on this page requires a newer version of Adobe Flash Player.

Get Adobe Flash player

   Primeira Página
   Notícias
      › Brasil
      › Alcinópolis
      › Camapuã
      › Chapadão do Sul
      › Costa Rica
      › Figueirão
      › Paraíso das Águas
   Guia de Negócios
   Agenda de Eventos
   Colunistas
   Galeria de Fotos
   Aniversariantes
   Notas Breves
   Charges
   Entrevistas
   Quem Somos
   Expediente
   Anuncie Aqui!
   Fale Conosco
  Informativo
  Cotações
Editorial
O Globo
05/01/2016
Relações sociais trazem benefícios à saúde, diz estudo

 
Quanto mais e melhores laços sociais as pessoas desenvolvem, melhor é a sua saúde em diferentes fases da vida, de acordo com um novo estudo da Universidade da Carolina do Norte em Chapel Hill, nos EUA. Esta é a primeira pesquisa a vincular de forma direta as relações sociais com condições físicas a exemplo de obesidade abdominal, inflamações diversas e pressão sanguínea elevada. Todos estes fatores podem levar a problemas de saúde a longo prazo, como doenças cardíacas, acidente vascular cerebral e até mesmo câncer.
 
— É importante encorajar adolescentes e jovens adultos a construir e ampliar seus relacionamentos sociais para interagir com outras pessoas. Isto tem o mesmo valor de uma alimentação saudável ou de ser fisicamente ativo — ressalta Kathleen Mullan Harris, professora de Chapel Hill e uma das autoras do estudo.
O trabalho, publicado ontem na revista “Proceedings of the National Academy of Sciences”, baseia-se em pesquisas anteriores que mostram como a longevidade das pessoas estudadas parece proporcional à quantidade de suas relações pessoais. Agora, a equipe de Kathleen mostra como essas mesmas conexões reduzem os riscos de problemas de saúde nos diferentes estágios da vida.
 
O isolamento na adolescência, por exemplo, aumenta o risco de inflamações na mesma intensidade que a inatividade física, enquanto a integração social protege contra males como a obesidade abdominal. Na velhice, diz o estudo, a ausência de relações é mais prejudicial no controle da hipertensão do que o diabetes. Já na meia idade, a pesquisa deixa claro que o que importa não é tanto o número de conexões sociais de um indivíduo, mas, sim, o que essas relações fornecem em termos de apoio ou contra a tensão social.
 
PUBLICIDADE
 
— A relação entre a saúde e o grau em que as pessoas são integradas em grandes redes é mais forte no início e no fim da vida, e não tão importante na meia idade, quando a qualidade dos relacionamentos é mais importante do que a quantidade — destaca Kathleen.
 
Coautora do levantamento, a professora Yang Claire Yang defende que os médicos fiquem mais atentos à importância das relações sociais de seus pacientes.
 
— Os profissionais de saúde devem redobrar seus esforços para ajudar o público a entender como os laços sociais são importantes em nossas vidas — explica.

 

Notícias em Destaque
22/10/2018 31 anos: Ciclismo, Encontro de Bandas e Shows marcaram o final de semana sul-chapadense
21/10/2018 Bolsonaro e Haddad adotam novo estilo a uma semana do segundo turno
20/10/2018 TSE abre ação para investigar suspeita contra campanha de Bolsonaro
20/10/2018 Chuvas colaboram e plantio chega a 54% em MS
19/10/2018 Atleta da Copa América de Corrida de Aventura volta à Costa Rica para rever árvore que plantou em 2016
 
     COLUNISTAS
  
     GALERIA DE FOTOS
Crianças que integram o Projeto Florestinha proferiram palestras nas escolas
  
Imagem do dia
Policia civil de Costa Rica queima quase 600 quilo de maconha
 
   
A irmandade dos falsos cegos
    
   
Por Benedicto Ismael Camargo Dutra

    
   
    
Publicidade
Hora da Noticia   |   (67) 9924-2726   |   [email protected]   |   Costa Rica - MS